AFP
AFP

Hillary pede que eleitores evitem erros de 2016: 'Precisamos de números esmagadores'

Ex-secretária de Estado afirmou ter ouvido muitos dizerem que se arrependem de não terem votado na eleição passada

Beatriz Bulla / Correspondente, Washington, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2020 | 23h22
Atualizado 20 de agosto de 2020 | 01h10

A ex-secretária de Estado e candidata democrata derrotada por Donald Trump em 2016, Hillary Clinton, fez um apelo a eleitores para que não cometam erros da eleição passada. Em discurso na terceira noite da convenção democrata, ela disse ter ouvido muitos dizerem que se arrependem de não terem votado na eleição passada.

"Por quatro anos, as pessoas me disseram: 'Eu não percebi o quão perigoso ele era'. 'Eu gostaria de poder voltar e fazer de novo.' Ou pior 'Eu deveria ter votado'. Bem, esta não pode ser mais uma eleição 'iria, poderia, deveria", disse Hillary.

Apesar de ter recebido cerca de três milhões de votos a mais do que Trump, a democrata não teve maioria dos votos no Colégio Eleitoral na eleição passada. "Lembrem-se: Joe e Kamala podem vencer por uma diferença de 3 milhões de votos e ainda assim perder. Ouça isso de mim. Nós precisamos de números tão esmagadores que Trump não possa esgueirar-se ou roubar o caminho dele para vitória", disse Hillary.

Ela se juntou ao apelo de outros democratas nos últimos dias da eleição ao pedir comparecimento recorde. "Se você vai votar pelo correio, peça sua cédula e envie de volta o mais rápido possível. Se vai votar presencialmente, faça cedo. Chame um amigo e use uma máscara. Não importa o quê, vote. Vote como se suas vidas e subsistência estivessem em jogo, porque elas estão", disse a ex-candidata. 

Em 2016, mesmo segmentos tipicamente democratas do eleitorado, como mulheres e negros, não se empolgaram com a candidatura de Hillary. O comparecimento destes segmentos da sociedade foi menor do que o registrado com Barack Obama.

Em uma aparição logo na abertura da convenção, a candidata a vice na chapa de Biden, Kamala Harris, também pediu que os eleitores se organizem para votar. Em razão da pandemia, os partidos esperam que haja muita incerteza no dia de registrar o voto presencialmente. O voto pelo correio, adotado em todos os Estados e expandido neste ano, tem sido atacado por Trump. 

Para Entender

Eleições nos EUA: entenda o processo eleitoral americano

Saiba como funcionam bipartidarismo, prévias, escolha dos vices, colégio eleitoral, votos, apuração e pesquisas na disputa presidencial dos Estados Unidos

Kamala criticou o fato de Trump ter iniciado uma investida contra o voto por correio. "Por que há tanto esforço em calar nossas vozes? A resposta é: porque quando votamos, as coisas mudam. Cada um de nós precisa de um plano, um plano para votar", disse Kamala.

Hillary Clinton lembrou uma frase de campanha usada por Trump contra os democratas: "o que vocês têm a perder?".  O fato de uma presidência de Trump não ser mais hipotética, mas sim uma realidade, é explorada pelos democratas em uma eleição que se tornou um referendo do governo do republicano. 

"Lembram de 2016 quando Trump perguntou o que você tem a perder? Bem, agora sabemos: nossa saúde, nossos empregos, até mesmo nossas vidas. Nossa liderança no mundo e, sim, nossos correios. Como Michelle Obama e Bernie Sanders avisaram na segunda-feira, se Trump for reeleito, a situação ficará ainda pior", disse Hillary,

Durante as últimas três noites, os democratas têm apresentado Trump como um presidente inexperiente, incapaz de liderar o país em um momento de crise e sem comprometimento com os americanos. A ex-secretária de Estado foi na mesma linha. "Eu gostaria que Donald Trump tivesse sido um presidente melhor. Mas, infelizmente, ele é quem ele é", disse.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.