Hillary pode não vencer eleição, mas continua a ter seus fãs

Hillary Clinton, pré-candidatado Partido Democrata à Presidência dos EUA, lembra um boxeadornos últimos rounds de um combate que vale título --enquantomuitos fãs a aplaudem, vendo nela uma lutadora incansável,outros acusam-na de ser uma desmancha-prazeres a quem restariaunicamente jogar a toalha. Em comícios dos quais participam em sua maioria mulheres,particularmente as de mais idade, que ainda se lembram dospreconceitos sofridos no começo de suas vidas, Hillary écelebrada como uma heroína por sua tentativa de chegar à CasaBranca, mesmo que suas chances hoje pareçam ser quase nulas. "Talvez ela não se transforme na primeira mulher a comandaro país, mas terá ajudado a abrir caminho para outras", afirmouBecky Bird, que trabalha para o Poder Judiciário de Montana."Ela mostrou que as mulheres conseguem competir nesse nível." "Isso é quase mágico, mitológico", disse Julie Volimas, deRapid City, que faz mestrado em psicologia. "Ela estárealizando um sonho da qual muitas de nós compartilhamos." Em meio aos gritos de "Hillary, Hillary", a pré-candidatavem fazendo campanha nesta semana em Montana e em Dakota doSul, onde se realizam na próxima terça-feira as últimas préviasdo Partido Democrata, colocando fim a cinco meses de votações etalvez à disputa pela vaga da legenda. O pré-candidato Barack Obama, que lidera as prévias com umavantagem insuperável em número de delegados eleitos para aconvenção democrata de agosto, vem atraindo multidões cada vezmaiores a seus comícios e já se comporta, muitas vezes, como oadversário do republicano John McCain nas eleições gerais denovembro. Por se recusar a reconhecer a derrota, Hillary deixouindignados alguns democratas para os quais a pré-candidataestaria exagerando e poderia alimentar divisões dentro daprópria legenda. Depois de comício realizado em Rapid City, na quarta-feira,Hillary afirmou ter ouvido muitos apelos para que continuassecom sua campanha. "Uma mulher agarrou a minha mão e me disse: 'Eu soutreinadora de basquete. E eu não saio de quadra enquanto o jogonão tiver acabado"', contou a pré-candidata. Em seus eventos de campanha, Hillary critica o atualpresidente dos EUA, George W. Bush, acusando-o de ser um líderfracassado, e ataca McCain, que, segundo ela, dariacontinuidade às políticas econômicas e externa malsucedidas doatual dirigente. Sem citar verbalmente o nome de Obama, Hillary pareceridicularizá-lo ao sugerir que o senador pelo Estado deIllinois é um orador habilidoso, mas carente de experiência eidéias. A pré-candidata deu início a sua campanha um ano atrás,sendo apontada então como franca favorita para conquistar avaga do Partido Democrata. Mas Hillary está em Washington há muitos anos, e Obamaassumiu a liderança da disputa apresentando-se como alguém defora do sistema que conseguiria realizar grandes mudanças. Hillary também se viu prejudicada pelo fato de ter sido umfigura polêmica desde que ela e seu marido, Bill Clinton(ex-presidente dos EUA), chegaram a Washington, em janeiro de1993. "As pessoas não gostam dela porque ela é uma mulher. Pontofinal. E isso é ridículo porque há várias mulheres no poder emtodo o mundo", afirmou Jolaine Tracy, ex-professora no Estadode Dakota do Sul.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.