Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Hillary promete nova fase na política externa

Secretária de Estado pede união e diplomacia forte para que a defesa deixe de ser prioridade dos EUA nas relações com outros países

Reuters e AP, Washington, O Estadao de S.Paulo

23 de janeiro de 2009 | 00h00

A nova secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, prometeu ontem uma "nova era" na política externa americana, com uma "diplomacia forte" e um governo unido. "Acredito, de todo o meu coração, que esta seja uma nova era para os EUA", disse Hillary a centenas de pessoas, entre elas o presidente Barack Obama, o ex-senador George Mitchell, nomeado ontem enviado dos EUA para o Oriente Médio, e Richard Holbrooke, que assumiu o cargo de emissário no Afeganistão e Paquistão (mais informações na pág. 14).A nova chefe da diplomacia americana, em seu primeiro dia de trabalho, disse aos funcionários do Departamento de Estado que existem três aspectos da política externa dos Estados Unidos: a defesa, a diplomacia e o desenvolvimento, e prometeu trabalhar para que a ênfase do governo americano deixe de ser a defesa. "Quero deixar claro que a diplomacia e o desenvolvimento são ferramentas essenciais para concretizar os objetivos de longo prazo dos EUA", afirmou a ex-senadora, que foi recebida com aplausos e gritos dos diplomatas.Assim que chegou ao prédio do Departamento de Estado, Hillary foi recebida por Steve Kashett, vice-presidente da Associação Americana de Serviço Exterior, que reúne a maior parte do corpo diplomático dos EUA, que, em nome de todos os membros, agradeceu sua promessa de "recuperar a diplomacia e a liderança dos EUA no exterior"."Tanto a Associação como o Departamento de Estado, em conjunto, foram desatendidos nos últimos anos", disse. "Esse mal-estar tem a ver, em parte, com o fato de que, com os conflitos no Iraque e no Afeganistão, o Pentágono incorporou funções que antes pertenciam aos diplomatas. Por isso, estamos felicíssimos por a senhora estar aqui agora", brincou Kashett.BRASILHillary foi aprovada no cargo pelos senadores na quarta-feira por 94 votos a 2 - apesar das preocupações dos republicanos quanto a um eventual conflito de interesses com as atividades da fundação de seu marido, o ex-presidente Bill Clinton, que recebe doações de organizações e governos estrangeiros.A chancelaria brasileira informou ontem que o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, enviou uma carta de felicitações a Hillary. No texto, o chanceler brasileiro demonstrou esperança de que a nova secretária de Estado dê prioridade ao diálogo multilateral. "Compartilho a reiterada confiança que Vossa Excelência tem demonstrado no fortalecimento do multilateralismo e na construção de consensos, instrumentos essenciais para alcançarmos o objetivo de estabelecer uma ordem internacional mais equilibrada, inclusiva e justa", disse Amorim. O ministro também ressaltou o desejo de encontrar Hillary pessoalmente e iniciar um "trabalho conjunto em uma data conveniente para ambos". "Estou certo que trabalharemos para desenvolver novas oportunidades de associações bilaterais para reforçar a amizade que une nossos povos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.