Hillary vê progresso em pacto de redução de armas nucleares com a Rússia

Segundo secretária de Estado americana, versão final do acordo será definida em breve

Agência Estado

18 de março de 2010 | 14h15

MOSCOU - EUA e Rússia estão fazendo um "progresso substancial" na negociação de um acordo para substituir o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start, na sigla em inglês), disse nesta quinta-feira, 18, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton.

 

Veja também:

linkRússia anuncia usina nuclear no Irã e Hillary pede atraso em inauguração

 

Em Moscou, onde se encontrou com o Ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, a diplomata mostrou-se otimista sobre os prazos. "Nós chegaremos a um acordo final em breve", previu. As mensagens de nossos negociadores nos em Genebra e os resultados das últimas reuniões nos levam a crer que logo chegaremos a um acordo final", disse Hillary.

 

O antigo tratado expirou em dezembro de 2009 e EUA e Rússia estão negociando um pacto substituto há vários meses. O novo tratado é visto como um pilar no chamado relançamento das relações entre os dois países, antes inimigos na Guerra Fria.

 

O presidente dos EUA, Barack Obama, e seu colega russo, Dmitry Medvedev, pediram que o acordo fosse fechado logo, quando se encontraram em Moscou em julho. Porém, as negociações ficaram emperradas por questões como métodos de contagem, procedimentos de verificação e os planos dos EUA para instalar um sistema antimísseis na Europa. Ainda assim, o governo russo disse que era bastante possível que o pacto fosse firmado antes da Conferência Mundial para a Segurança, marcada para 12 e 13 de abril.

 

O chanceler russo também mostrou-se otimista e disse que "há razões para crer que as negociações entraram na reta final". Na terça-feira, Lavrov já havia assumido posição semelhante. "No final de março, abril, essas são as datas em que o tratado deve estar pronto, se as delegações seguirem firmemente com as diretivas dos presidentes. Quando e onde o acordo será firmado, os presidentes decidirão", disse o chanceler na ocasião.

 

Na sexta, a Hillary ainda se encontra com o premiê russo, Vladimir Putin, em um encontro inserido em sua agenda de última hora. A secretária ainda deverá se reunir com o Quarteto para o Oriente Médio, que inclui representantes da Rússia, da ONU e da União Europeia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.