Hillary viaja para Israel e Cisjordânia

Secretária americana deve promover negociações de paz e anunciar doação de US$ 900 milhões a Gaza

REUTERS, O Estadao de S.Paulo

24 de fevereiro de 2009 | 00h00

Depois de um giro por países asiáticos, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, marcou sua próxima viagem oficial para o Oriente Médio, informaram ontem autoridades israelenses. Na segunda-feira, ela visitará o Egito, onde participa de uma conferência sobre a reconstrução da Faixa de Gaza, depois segue para Israel e Cisjordânia, nos dias 3 e 4. A escolha do destino mostra a disposição dos EUA de desbloquear as negociações de paz.Na agenda de Hillary estão encontros com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, e vários líderes israelenses. Por causa da indefinição do cenário político de Israel, a secretária americana vai se reunir com o atual premiê, Ehud Olmert, com a chanceler e líder do Kadima, Tzipi Livni, com o ministro da Defesa, Ehud Barak, e também com o líder do Likud e provável próximo premiê, Binyamin Netanyahu. Autoridades americanas não comentaram oficialmente a viagem de Hillary, mas fontes de Israel disseram que a rodada de reuniões no país terá "caráter consultivo", uma vez que a formação do próximo governo ainda está sendo negociada. O governo do presidente Barack Obama espera que o próximo gabinete de Israel retome as negociações de paz com Abbas e países vizinhos, assim como aceite retirar colonos judeus da Cisjordânia. Caso a coalizão formada tenha forte presença da extrema direita, uma tensão entre os dois países, aliados históricos, pode surgir. Além das incertezas em Israel, Hillary também enfrenta grande dificuldade do lado palestino, dividido entre o governo do Fatah, de Abbas, na Cisjordânia e do Hamas na Faixa de Gaza. Os EUA apoiam Abbas e boicotam o Hamas. Na conferência no Egito, Hillary deve anunciar a doação de US$ 900 milhões para reconstruir Gaza, depois da destruição provocada pela invasão de Israel. Para não fortalecer o Hamas, o dinheiro americano deve ser entregue via ONU. Segundo Saeb Erekat, conselheiro de Abbas, os palestinos pedirão que Hillary pressione Israel a cumprir seus compromissos internacionais. "A coisa mais importante é ver o próximo governo israelense, seja ele como for, comprometido com a solução de dois Estados e a suspensão da expansão dos assentamentos", afirmou. Antes da visita da secretária de Estado, o enviado especial de Obama ao Oriente Médio, George Mitchell, fará uma viagem separada a Israel e Cisjordânia. Sua chegada está prevista para quinta-feira. Em seguida, ele vai ao Egito para a cúpula sobre a Faixa de Gaza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.