Hiroshima lembra 56 anos da bomba

O toque fúnebre de um sino marcou hoje a hora exata em que, há 56 anos, a cidade japonesa de Hiroshima foi praticamente reduzida a cinzas no primeiro ataque atômico da história. Às celebrações de hoje - as primeiras do novo milênio -, uniram-se também, pela primeira vez, duas organizações de coreanos residentes no Japão (das Coréia do Norte e do Sul). Cerca de 10% das vítimas da bomba eram coreanos, que realizavam trabalhos forçados no Japão. A cidade acrescentou este ano, ao número de vítimas da explosão nuclear, os nomes de mais 4.757 pessoas, elevando assim o número oficial de mortos para 221.823, além de reconhecer os nomes de outras 1.464 pessoas como vítimas da radiação nuclear, o que totaliza em 88.592 o número destas vítimas.Cerca de 50.000 pessoas participaram hoje da cerimônia anual, guardando um minuto de silêncio às 8h15 da manhã (hora local), momento exato em que um avião dos EUA soltou uma bomba atômica sobre a cidade, em 6 de agosto de 1945. Enquanto um coro de crianças cantava um hino pacifista e centenas de pombas brancas, como nos anos anteriores, eram soltas durante a cerimônia transmitida pela televisão, o prefeito de Hiroshima, Tadatoshi Akiba, lamentava que o fim do século da guerra não tenha levado automaticamente a uma era de paz.Em presença do primeiro-ministro japonês, Junichiro Koizumi, e do prefeito Itcho Ito, de Nagasaki - a outra cidade japonesa vítima de uma bomba atômica -, Akiba leu uma mensagem em que fez referência ao controvertido projeto de escudo antimísseis dos EUA. "Enquanto Hiroshima reafirma o direito mundial a um século de paz e verdadeira humanidade, após um século de duas guerras mundiais, alguns pensam em levar, agora, os campos de batalha para o espaço", disse Akiba.Koizumi, por sua vez, prometeu redobrar os esforços para obter uma proibição mundial dos testes com armas atômicas. Para a quinta-feira, estão previstas várias cerimônias para lembrar o ataque atômico a Nagasaki, mais ao sul, onde morreram 70.000 pessoas. Após os dois ataques, o Japão se rendeu em 15 de agosto de 1945, pondo fim à Segunda Guerra Mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.