Hispânica é confirmada no Supremo

Nomeação de Sonia Sotomayor, de pais porto-riquenhos, é aprovada com folga no Senado, por 68 votos a 31

Gustavo Chacra, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2009 | 00h00

A juíza Sonia Sotomayor tornou-se ontem a primeira hispânica a se tornar membro da Suprema Corte dos EUA. Foram 68 votos a favor e 31 contra no Senado, com todos os democratas e nove republicanos apoiando a indicação do presidente Barack Obama.A confirmação de Sonia, filha de porto-riquenhos, é considerada histórica, já que os hispânicos são a minoria que mais cresce nos EUA. A escolha da juíza também simboliza a trajetória de uma mulher que nasceu no empobrecido bairro do Bronx, em Nova York, e conseguiu estudar nas melhores universidades do país com a ajuda das políticas afirmativas. Sonia é também a primeira integrante da Suprema Corte de origem hispânica e apenas a terceira mulher a assumir uma cadeira na corte em mais de dois séculos."Estou feliz e profundamente grato que o Senado tenha votado a favor da confirmação da juíza Sonia Sotomayor como a 111ª integrante da Suprema Corte", disse Obama pouco depois do anúncio. Segundo o presidente, "com esse histórico voto, o Senado afirmou que a juíza Sotomayor possui o intelecto, o temperamento, a história, a integridade e a mente independente que a habilita para servir na mais alta corte desta nação".Sotomayor, de 55 anos, acompanhou a votação pela TV de sua casa em Nova York e não deu declarações. Ela deve prestar juramento nos próximos dias, mas a cerimônia oficial será apenas em setembro.Dos 40 senadores republicanos, 31 se opuseram à indicação de Sonia para a Suprema Corte. Alguns a acusam de ter levado em conta a sua condição de hispânica para tomar algumas decisões no passado. Uma das críticas era sobre uma declaração da juíza, que afirmou que uma "latina inteligente tomaria uma decisão melhor do que um homem branco". Outros republicanos, como o senador John McCain, candidato derrotado nas eleições presidenciais do ano passado, afirmaram que divergem da ideologia política da juíza, mas muitos republicanos evitaram criticá-la por temer o impacto do voto latino em futuras eleições. Nos EUA, os presidentes indicam os integrantes da Suprema Corte de acordo com as suas posições políticas. Democratas tendem a escolher juízes liberais, enquanto republicanos favorecem conservadores. No processo de confirmação no Senado, toda a vida e a carreira dos indicados são analisados. Em alguns casos, seus nomes são vetados antes mesmo da votação.Sonia substituirá o juiz David Souter, que se aposentou em junho. Como ele seguia uma linha liberal, próxima à de Sonia, a Suprema Corte continuará com cinco juízes conservadores contra quatro liberais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.