Hitachi condenada a pagar US$ 1,5 milhão a inventor

Um tribunal de Tóquido determinou, hoje, que a indústria de eletrônicos Hitachi Ltd. pague um total de 162 milhões de ienes (US$1,53 milhão) em royalties ao inventor de uma tecnologia para produção de CD e DVD players digitais.O veredicto determina o que se acredita seja a maior indenização paga em uma disputa judicial por patentes e acontece um mês depois de a Suprema Corte do Japão estabelecer jurisprudência sobre o direito dos inventores a suas patentes.O juiz da Alta Corte de Tóquio, Kazuaki Yamashita, considerou que a Hitach fracassara em compensar suficientemente Seiji Yonezawa por sua invenção, que combina lentes e laser para ler CDs e DVDs, relatou um porta-voz do tribunal.Os advogados de Yonezawa disseram que foi a sorte grande jamais dada por um tribunal japonês a um inventor.?Estamos muito satisfeitos com essa quantia. Não temos intenção de apelar?, disse o advogado Hidetoshi Masunaga, embora o pedido inicial fosse de 250 milhões de ienes (US$2,36 milhões).A Hitachi considerou a sentença ?extremamente lastimável?. O porta-voz da empresa, Hiroshi Inami, diz que sua direção está considerando pedir à Suprema Corte uma revisão do caso.A sentença é a última de uma série de disputas por propriedade intelectual no Japão. Em junho do ano passado, a Suprema Corte determinou que o inventor da tecnologia para CDs e DVDs recebesse uma parte dos lucros que sua empresa obteve com a patente. Previu-se que essa sentença provocasse uma enxurrada de casos similares nos tribunais.O veredicto de hoje reconheceu as reclamações de Yonezawa de que ele e seu colaborador deveria partilhar dos lucros obtidos nos mercados do exterior, disse Masunaga. Segundo ele, seu cliente recebeu apenas 118.000 ienes (US$1,110) pela patente, uma das três pelas quais o ex-engenheiro da Hitach está brigando em juízo, entre 1973 e 1977. Yonezawa aposentou-se da Hitachi em 1996.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.