Holanda faz cerco de 15 horas contra extremistas

Aumentando a tensão criada no país com o assassinato, por islâmicos radicais, do cineasta Theo van Gogh, um crítico contumaz do Islã, forças especiais holandesas invadiram uma casa em Haia ocupada por supostos extremistas. A televisão holandesa informou que pelo menos três agentes e um suspeito ficaram feridos durante a operação policial que durou cerca de 15 horas e mobilizou até helicópteros. Uma testemunha que se identificou como Sylvia Cordia, de 42 anos, disse que vários helicópteros sobrevoaram o bairro ao amanhecer, enquanto atiradores de elite se postavam nos telhados de edifícios vizinhos e punham a casa sob a mira de seus fuzis. Os ocupantes reagiram disparando armas de fogo e lançando pelo menos uma granada de mão contra os policiais. "O estado de dois dos três agentes feridos por estilhaços da granada é muito grave", disse o chefe de polícia de Haia, Gerard Bouwman. "Os policiais acabaram invadindo a casa e ouvi muitos disparos e explosões", disse a testemunha. "Aparentemente, havia várias pessoas no interior. Vi dois jovens renderem-se, enquanto um terceiro, ferido, foi levado por uma ambulância", acrescentou. As forças de segurança bloquearam também pontos estratégicos da região, habitada por imigrantes - em sua maioria marroquinos e argelinos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.