Holanda: governo pode cair após fracasso de conversas

O governo da Holanda está à beira do colapso e o fracasso das negociações sobre um novo pacote de austeridade levou o primeiro-ministro a consultar a rainha nesta segunda-feira. O diálogo, que se prolongava por várias semanas, foi interrompido no sábado.

AE, Agência Estado

23 de abril de 2012 | 11h05

O gabinete holandês se reuniu hoje para discutir o que fazer depois de Geert Wilders e seu Partido para a Liberdade (PVV, na sigla em holandês), principal aliado do governo no Parlamento, abandonarem as conversas que tinham o objetivo de fazer o país atender as exigências de déficit orçamentário da União Europeia. Sem o PVV, a coalizão de direita do primeiro-ministro Mark Rutte perdeu a maioria parlamentar.

Após a reunião, Rutte atualizou a rainha sobre a situação, num gesto que normalmente serve como prelúdio da renúncia de um gabinete, e líderes partidários pediram a realização de novas eleições o mais cedo possível. Os membros do gabinete estão lutando para cumprir as regras da UE e reduzir o déficit orçamentário do país.

"Mostraremos aos mercados financeiros, em consulta com o Parlamento, que a Holanda manterá sua disciplina orçamentária de décadas", afirmou o ministro das Finanças holandês, Jan Kees de Jager, após o fim da reunião, acrescentando nutrir esperanças de que um gabinete provisório conseguirá chegar a um acordo com o Parlamento sobre cortes orçamentários. Segundo Jager, ele ainda planeja enviar a Bruxelas uma proposta preliminar para o orçamento de 2013 até 30 de abril, como exigido pela UE.

Os oposicionistas, por sua vez, dizem estar dispostos a trabalhar com Rutte na proposta orçamentária do ano que vem, mas desde que o premiê renuncie primeiro.

Embora a dívida holandesa seja relativamente baixa, o país está em recessão e a expectativa é que tenha um déficit fiscal equivalente a 4,6% do produto interno bruto (PIB) em 2012, bem acima dos 3% determinados pela UE. O pacote que Rutte vinha negociando com Wilders propunha reduzir a ajuda externa e antecipar a elevação da idade mínima para aposentadoria, de 65 para 66 anos.

Na semana passada, a agência de classificação de risco Fitch alertou que a Holanda poderia perder seu rating AAA dependendo do resultado das negociações que fracassaram no fim de semana. Já o presidente do banco central holandês, Klaas Knot, tem afirmado que as taxas de juros provavelmente subirão cerca de 1 ponto porcentual se o rating do país for realmente reduzido. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
HOLANDAPOLÍTICA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.