REUTERS/Eva Plevier (07/10/2020)
REUTERS/Eva Plevier (07/10/2020)

Holanda planeja lockdown parcial mesmo com avanço da vacinação

País registrou 16.364 novos casos na quinta-feira, 11, apesar de ter 76% da população completamente vacinada

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2021 | 10h31

O governo da Holanda planeja realizar um lockdown parcial de três semanas para conter uma quarta onda de infecções de covid-19 em meio a um aumento no número de casos, informou a emissora pública NOS nesta sexta-feira, 12.

É o primeiro confinamento recente que afetará todas as pessoas - vacinadas e não-vacinadas - na Europa Ocidental, e ocorre após o país registrar 16.364 novos casos nessa quinta-feira, 11. O número de casos, em um patamar não visto desde o início da pandemia, representa um aumento de 33% em relação aos novos casos registrados uma semana antes.

A partir de sábado, restaurantes, bares e cafés do país terão que fechar às 19h. Os eventos esportivos serão realizados sem espectadores. Moradores não poderão convidar mais de quatro pessoas para suas casas. E as regras de distanciamento social serão restabelecidas, embora as lojas que vendem produtos essenciais permaneçam abertas.

O primeiro-ministro Mark Rutte e o ministro da saúde Hugo de Jonge devem anunciar as medidas na noite de sexta-feira, de acordo com a emissora.

O gabinete de Rutte também discutirá a possibilidade de introduzir medidas de longo prazo que exijam que as pessoas forneçam comprovante de vacinação ou infecção anterior para ter acesso a certos serviços ou participar de certos eventos.

4ª onda preocupa a Europa

O aumento no número de infecções entre outubro e novembro tem preocupado os países europeus. Autoridades temem que a chegada do inverno no Hemisfério Norte possa trazer uma nova onda da pandemia, colocando os sistemas de saúde do continente novamente sob pressão.

Na Europa Central e Oriental, onde os níveis de vacinação são mais baixos do que no oeste do continente, os efeitos já são sentidos com maior intensidade. Na Romênia, por exemplo, o baixo índice de imunização  impulsionado pelo negacionismo e campanhas de fake news provocaram um aumento significativo do número de mortes no começo do mês. Eslováquia e Polônia mais do que dobraram seus números de casos.

Mas mesmo países mais ricos ou com altos índices de vacinação buscam alternativas para impedir uma nova onda pandêmica, com a imposição de medidas restritivas e doses adicionais da vacina.

Cerca de 76% da população do país está totalmente vacinada contra o coronavírus, de acordo com Our World in Data./ NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.