Holanda processa os Médicos Sem Fronteiras

A Holanda entrou com ação na Justiça suíça contra o grupo Médicos Sem Fronteiras (MSF) para recuperar cerca de US$ 935.000 usados como pagamento de resgate pela libertação de um funcionário holandês do grupo que havia sido seqüestrado na Chechênia, informou a chancelaria. Arjan Erkel, um cidadão holandês, foi libertado em 11 de abril depois de ter sido mantido como refém por 20 meses na república russa do Daguestão. Ele foi seqüestrado por homens mascarados enquanto realizava um trabalho para o braço suíço do MSF.O processo contra o grupo é o último episódio de uma disputa pública entre a agência de ajuda humanitária e o governo de Amsterdã. A chancelaria holandesa afirma que a ação judicial visa à recuperação do dinheiro, descrito como um empréstimo dado ao grupo. "O Médicos Sem Fronteiras prometeu devolver o empréstimo, mas agora decidiu que não o fará mais", diz um comunicado da chancelaria holandesa.O grupo nega ter tomado um "empréstimo" ou ter se envolvido em negociações para libertar Erkel. Ambos os lados concordam, no entanto, que a Embaixada da Holanda em Moscou pagou um total de US$ 1,2 milhão a um grupo de ex-agentes de inteligência da Rússia para realizar a libertação. O grupo não foi encontrado hoje para comentar o assunto.

Agencia Estado,

27 de julho de 2004 | 15h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.