Holanda revisará participação no Iraque

A Holanda revê sua participação na ocupação do Iraque, depois de um militar holandês ter morrido na explosão de uma granada, informou o primeiro-ministro Jan Pater Balkenende. De acordo com ele, a morte do soldado, ocorrida ontem, não é em si um motivo para deixar o país. "Mesmo com a dor que sentimos hoje, a reconstrução do Iraque seguirá adiante. As forças do terrorismo não vencerão", disse Balkenende, em pronunciamento em rede nacional de televisão. Mas a Holanda pesará, a partir de agora, o futuro de sua presença no âmbito de uma ampla missão liderada pela Organização das Nações Unidas. Segundo ele, é "desejável" que o Conselho de Segurança da ONU aprove rapidamente uma resolução sobre a ocupação do Iraque. "Quando falamos em estendermos nossa permanência no Iraque, examinaremos o envolvimento das Nações Unidas. Uma resolução daria mais legitimidade às tropas estrangeiras" que ocupam o país árabe, reconheceu. O Ministério de Defesa da Holanda informou que rebeldes andavam em uma mobilete quando lançaram uma granada contra quatro soldados holandeses que patrulhavam uma ponte sobre o rio Eufrates na cidade de Samawa, na noite de segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.