Holandês defende assentamentos judaicos

Um polêmico político holandês de direita, Geert Wilders, disse hoje em Tel-Aviv que Israel deveria construir mais assentamentos na Cisjordânia, em desafio aberto aos pedidos internacionais para que cesse a construção de moradias de colonos em territórios palestinos. Wilders chegou mesmo a defender a anexação da Cisjordânia por Israel. "Um país que tem apenas 15 quilômetros de largura é impossível de ser defendido", disse Wilders, se referindo à faixa mais estreita de território israelense entre o Mediterrâneo e a fronteira da Cisjordânia mais próxima do mar.

AE, Agência Estado

05 Dezembro 2010 | 20h35

Wilders afirmou que os judeus israelenses têm o direito de viver na Cisjordânia, capturada por Israel na Guerra dos Seis Dias, em 1967. "As cidades e vilarejos judaicos na Judeia e na Samaria não são impedimentos à paz. Elas são uma expressão do direito dos judeus existirem nesta terra" afirmou, referindo-se aos nomes bíblicos da Cisjordânia. Cerca de 2,5 milhões de palestinos vivem na Cisjordânia, bem como 500 mil colonos judeus. Wilders afirmou que a vizinha Jordânia deveria receber os 2,5 milhões de palestinos.

As visões de Wilders são compartilhadas por apenas um pequeno espectro da direita israelense. Israel capturou Cisjordânia, Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza, todos territórios palestinos, em 1967. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.