Hollande faz alerta sobre jihadistas do EI atacarem na Europa

Hollande faz alerta sobre jihadistas do EI atacarem na Europa

Presidente francês visita Bagdá, reafirma apoio ao novo governo iraquiano e pede que mundo ajuda no combate ao Estado Islâmico 

O Estado de S. Paulo

12 de setembro de 2014 | 11h07

BAGDÁ - O presidente da França, François Hollande, advertiu nesta sexta-feira, 12, sobre o perigo de os jihadistas do Estado Islâmico (EI) que lutam no Iraque e na Síria voltarem aos países de origem na Europa para cometer atentados terroristas.

Em entrevista durante sua visita a Bagdá, Hollande afirmou que o EI é "uma ameaça global" e pediu à comunidade internacional para assumir a responsabilidade de "erradicar o terrorismo totalmente" do Oriente Médio.

"O Iraque está enfrentando tête-à-tête a ameaça do terrorismo, que, procedente da Síria, é capaz de mobilizar combatentes de todo o mundo", disse o líder francês ao pedir a erradicação do EI do norte da Síria e do Iraque, onde o grupo declarou um califado.

Hollande acrescentou que a França está trabalhando com as novas autoridades iraquianas em todos os âmbitos, humanitário, militar e econômico, "porque quer ajudar a construir o país", e especialmente para apoiar os deslocados e as minorias religiosas perseguidas pelo EI. O presidente reiterou seu apoio ao governo formado esta semana em Bagdá e comemorou que "estejam unidos para enfrentar o terrorismo e manter a unidade e integridade do Iraque."

No entanto, advertiu que "a unidade, a reconciliação e o trabalho unido" pelo povo iraquiano são as condições necessárias para que a comunidade internacional ajude o Iraque contra "a bárbara ameaça" do terrorismo.

O primeiro-ministro iraquiano, Haidar al Abadi, lembrou que o Iraque pediu apoio internacional há um ano para enfrentar o terrorismo, mas que os países fizeram "ouvidos surdos" ao pedido. Abadi afirmou que os iraquianos não querem entrar em guerra com nenhum país vizinho, mas que é responsabilidade da comunidade internacional pôr fim a essa ameaça que procede da Síria, onde o EI aproveitou o conflito contra o regime para assumir o controle do norte do país.

"Há um grande financiamento dos terroristas que chegam dos países da região. O EI assumiu o controle de poços de petróleo no Iraque que estão levando para o exterior", explicou, sem mencionar nenhum país concretamente.

Abadi acrescentou que o Exército e as forças aéreas iraquianas não são suficientes para enfrentar as circunstâncias atuais e pediu mais ajuda militar do exterior. "Necessitamos proteção e apoio aéreo, não queremos combatentes no terreno." / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.