Hollande faz visita à primeira-dama em hospital de Paris

Valérie Trierweiler foi internada após imprensa ter revelado 'caso' de socialista; revista dá mais detalhes sobre 'traição'

ANDREI NETTO, CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2014 | 02h07

O presidente da França, François Hollande, visitou na noite de quinta-feira a primeira-dama Valérie Trierweiler pela primeira vez desde que ela foi internada com uma "crise de depressão", segundo assessores.

Há nove dias, a revista Closer publicou reportagem sobre o suposto romance de Hollande com a atriz Julie Gayet. Ontem, a nova edição da publicação francesa de celebridades afirmou que o caso do presidente com a atriz existe há cerca de dois anos, desde antes de sua eleição.

Durante o mandato de Hollande, a relação teria sido descoberta e interrompida por pressão de Valérie.

Ainda segundo a nova reportagem, Julie teria sido apresentada ao presidente pela ex-mulher dele, a também socialista Ségolène Royal, durante a pré-campanha presidencial de 2011. "De comícios a reuniões públicas, a relação se tornou rapidamente mais íntima", provoca a revista.

Após a vitória do Partido Socialista (PS), em maio de 2012, Hollande e Gayet teriam se afastado. Naquele momento, Valérie foi apresentada à opinião pública, no comício da vitória, como a nova primeira-dama. A relação entre os dois, no entanto, teria se deteriorado depois de Valérie publicar um tuíte no qual apoiava um candidato dissidente do PS em disputa com Ségolène.

À época, o caso enfureceu Hollande e também a cúpula dos socialistas. Depois do episódio, o presidente teria retomado a ligação com Julie, com quem passou a se encontrar em dois endereços próximos ao Palácio do Eliseu, no coração da capital francesa.

Segundo informações da revista Grazia e da rádio pública France Bleu, em 2013 Hollande teria passado férias com a amante na cidade de Tulle, no interior da França, enquanto Valérie foi à Grécia.

"Julie passa sua vida colada ao telefone, apresenta Hollande à sua família e até à sua avó", diz a Closer. "Valérie, que passa suas férias sozinha, é cada vez mais isolada."

Para evitar que a crise de seu relacionamento se transforme em um problema político maior, o presidente deve anunciar o rompimento com Valérie, segundo a imprensa francesa. Sondagem publicada ontem pelo instituto Opinion Way indica que a cota de popularidade do chefe de Estado se mantém em 24% - a mais baixa nos últimos 50 anos na França.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.