Lionel Cironneau / AP
Lionel Cironneau / AP

Homem agride 3 militares em centro judaico francês

Com uma arma branca, ele atacou militares que protegiam um edifício judaico no centro de Nice; agressor foi preso e portava um documento segundo o qual apresenta-se com o mesmo sobrenome de um dos agressores dos ataques em Paris

O Estado de S. Paulo

03 de fevereiro de 2015 | 15h04

PARIS - Um homem agrediu nesta terça-feira, 3, com uma arma branca, três militares que protegiam um edifício judaico no centro de Nice, na França, e foi rapidamente detido, assim como um possível cúmplice, informou o prefeito da cidade, Christian Estrosi.

Em entrevista à emissora de TV BFM TV, o prefeito disse que foi "uma agressão totalmente voluntária", embora tenha esclarecido que ainda é muito cedo para afirmar se a ação teve um caráter jihadista ou se trata "de um desequilibrado".

A Promotoria Antiterrorista de Paris assumiu a investigação do caso. Dois dos militares sofreram vários cortes leves e foram hospitalizados, enquanto o terceiro prestou depoimento na polícia.

O agressor, capturado a pouca distância do local pela polícia local, portava um documento que, segundo o prefeito, o identificaria como Moussa Coulibaly, ou seja, ele teria o mesmo sobrenome de um dos três autores dos ataques terroristas do início de janeiro em Paris (Amedy Coulibaly).

"É preciso verificar se no entorno desses indivíduos há uma rede", disse o prefeito. As imagens captadas pelas câmeras municipais no local do ataque estão sendo analisadas pelos investigadores.

Estrosi explicou que desde a onda de atentados do início do mês em Paris não foi constatado um aumento de agressões, mas ressaltou que o incidente "coloca questões" e exige que as forças de segurança fiquem mais "atentas do que nunca".

Após os atentados de janeiro, em Paris, o presidente francês, François Hollande, decidiu mobilizar 10 mil militares para protegerem pontos sensíveis por todo o país, entre eles centros judeus e muçulmanos. / EFE 

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaNicecentro judaicoterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.