Homem andou armado em elevador com Obama, diz jornal

Homem andou armado em elevador com Obama, diz jornal

Ficha criminal de segurança particular, que mostrou três prisões por assalto e agressão, não foi checada antes

O Estado de S. Paulo , O Estado de S. Paulo

30 de setembro de 2014 | 19h18

Washington - O jornal Washington Post afirmou, nesta terça-feira, 30, que um segurança particular armado, com três prisões por assalto e agressão, teve permissão para entrar em um elevador com o presidente Barack Obama em um evento em Atlanta, no dia 16, violando os protocolos do Serviço Secreto. 

Recentemente, um homem carregando uma faca pulou a cerca e entrou na Casa Branca, no episódio que a diretora do Serviço Secreto dos EUA, Julia Pierson, qualificou nesta terça-feira, 30, de "inaceitável".   

O evento ocorreu quando Obama compareceu ao Centro para Controle e Prevenção de Doenças, em Atlanta, para discutir a resposta do governo americano à crise do Ebola. 

Segundo relataram ao jornal fontes próximas ao incidente, tudo começou quando agentes do Serviço Secreto pediram ao segurança privado para parar de filmar o presidente no elevador com seu celular, ao que ele não se opôs. 

Os agentes o interrogaram e usaram um banco de dados para checar seu histórico criminal e descobriram sobre suas condenações. Quando o supervisor da empresa de segurança privada soube da preocupação do serviço secreto, demitiu o empregado na mesma hora e recolheu sua arma - só então os agentes, surpresos, se deram conta de que o homem estava armado o tempo todo em que esteve com Obama.  

Em entrevista ao Washington Post, o deputado republicano Jason Chaffetz, de Utah, disse ter ficado estarrecido quando denunciantes contaram a ele a história. "Trata-se de um condenado com uma arma e acesso ao presidente sem que sua ficha criminal tenha sido checada antes", disse. O serviço secreto americano não comentou o episódio. A história também foi publicada pelo Washington Examiner. / WASHINGTON POST 

Mais conteúdo sobre:
Obamaserviço secretoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.