Alex Burton/Zew Zealand Herald/AP
Alex Burton/Zew Zealand Herald/AP

Homem armado com faca deixa seis feridos em ataque na Nova Zelândia

O incidente ocorreu em um supermercado em New Lynn, na cidade de Auckland; suspeito foi classificado como ‘extremista violento’ pela primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2021 | 01h38
Atualizado 03 de setembro de 2021 | 04h53

WELLINGTON - Um ataque a faca deixou seis feridos na cidade de Auckland, na Nova Zelândia, nesta sexta-feira, 3. O incidente ocorreu em um supermercado no bairro New Lynn. O suspeito, um cidadão do Sri Lanka que mora no país há 10 anos, foi baleado por policiais e morreu no local. 

“Um extremista violento empreendeu um ataque terrorista contra inocentes da Nova Zelândia”, afirmou a primeira-ministra Jacinda Ardern em coletiva de imprensa. “Ele obviamente apoiava a ideologia do ISIS”, disse em referência ao Estado Islâmico.

Segundo Ardern, o suspeito estava sendo monitorado pelas autoridades locais e era considerado uma “pessoa de interesse” há pelo menos cinco anos.

"Foi odioso e errado. Realizado por um indivíduo e não por uma fé", afirmou. “Seria errado dirigir qualquer frustração a alguém além desse indivíduo."

O homem ainda não identificado estava sendo seguido por policiais no momento do incidente, por isso, segundo o comissário Andrew Coster, foi possível contê-lo “em cerca de 60 segundos''. 

Coster contou que os agentes acreditavam que o suspeito estava no supermercado para fazer compras, a percepção mudou quando ele puxou uma faca e começou o ataque. Segundo o comissário, o homem agiu sozinho. 

O serviço de emergência local afirmou à Reuters que cinco ambulâncias e três unidades de resposta rápida foram mobilizadas para a ocorrência. 

Em um comunicado, o hospital St John confirmou que recebeu seis feridos: três estão em estado crítico, um está em situação grave e outros dois estão em condição moderada. 

Usuários publicaram vídeos nas redes sociais registrando o ataque. Em um deles, é possível ver pessoas correndo para sair do supermercado:

 

A Nova Zelândia está em alerta para ataques desde que um supremacista branco matou 51 pessoas em duas mesquitas na cidade de Christchurch, em março de 2019. Em maio deste ano, quatro pessoas foram esfaqueadas em um supermercado na cidade de Dunedin, na Ilha Sul do país. /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.