EFE/EPA/STEPHANIE LECOCQ
EFE/EPA/STEPHANIE LECOCQ

Homem armado com um facão fere duas policiais na Bélgica

Agressor gritou ‘Allahu Akbar!’ (Alá é grande) antes de atacar as agentes do lado de fora de uma estação de polícia na cidade de Charleroi; ambas estão fora de perigo

O Estado de S.Paulo

06 Agosto 2016 | 17h23

BRUXELAS - Um homem empunhando um facão e gritando "Allahu Akbar!" (Alá é grande) feriu duas policiais mulheres do lado de fora da principal estação de polícia na cidade belga de Charleroi neste sábado, 6, informou a polícia.

Autoridades estão tentando identificar o agressor, que foi baleado por um terceiro oficial e morreu em razão dos ferimentos. 

Segundo uma agência de notícias local, uma das policiais sofreu ferimentos profundos no rosto e foi hospitalizada, enquanto sua colega teve ferimentos leves. Ambas estão fora de perigo.

O primeiro-ministro belga, Charles Michel, condenou o ataque em sua conta no Twitter e afirmou que pode ter sido um ato “terrorista”.

"As primeiras indicações apontam muito claramente para a tese terrorista, com base nos primeiros testemunhos coletados", disse ele em entrevista à emissora de televisão RTL. "Evidentemente, quero ser prudente neste momento para não atrapalhar a investigação, mas isto parece ser de novo um ataque com conotação terrorista."

Michel, que se encontra fora da Bélgica e que voltará ao país para se reunir no domingo com representantes dos serviços de segurança, indicou que o Órgão de Coordenação para a Análise de Ameaças (OCAM) atualizará suas avaliações da situação conforme a investigação avança.

A Bélgica está atualmente no nível 3 de alerta de segurança de um máximo de 4, estado em que se considera uma ameaça "possível e provável", e deve reforçar as medidas de segurança em todo o país, segundo indicou o ministro do Interior, Jan Jambon. / Reuters, EFE e AFP

Mais conteúdo sobre:
BélgicaTerrorismoataque armado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.