Três reféns e atirador são encontrados mortos em centro de ex-militares nos EUA

O atirador era um veterano de guerra que atuou no Afeganistão entre 2011 e 2012; vítimas eram funcionárias do serviço de atendimento contra estresse pós-traumático

Associated Press

09 Março 2018 | 18h27
Atualizado 10 Março 2018 | 16h07

YOUNTVILLE - Quatro pessoas morreram após um atirador manter refém três mulheres em um centro de veteranos no Estado da Califórnia, nos Estados Unidos. Entre as vítimas estão três funcionárias de um programa de tratamento de veteranos com estresse pós-traumático e o atirador, que invadiu o centro Veterans Home of California-Yountville (Casa dos Veteranos da Califórnia - Yountille), o maior asilo dos Estados Unidos. Segundo familiares das vítimas, o atirador também era um veterano, mas havia sido expulso do programa de tratamento. 

+++ Sniper Americano – o ponto de vista da bala

A invasão ocorreu por volta das 10h30 no horário local desta sexta, e ao longo de todo o dia pouco se pode ouvir ou saber sobre as três reféns e o atirador. A polícia conseguiu agir nas redondezas do local, mas teve dificuldade para agir dentro do centro. Os corpos dos quatro foram encontrados por volta das 18 horas, no horário local. 

Os oficiais conseguiram evacuar a propriedade e interditaram estradas próximas ao centro de tratamento. Um veículo blindado, ambulâncias e vários caminhões de bombeiros foram encaminhados ao local, que abriga cerca de 1.000 moradores.

Segundo a agência de notícias Associated Press, o atirador é Albert Wong, de 36 anos. Ele portava um rifle quando invadiu o local, em meio a uma festa de despedida para dois dos funcionários, e manteve reféns. Depois, matou duas executivas do programa de tratamento: a diretora executiva Christine Loeber, de 48 anos, a diretora clínica Jennifer Golick, de 42, e a psicóloga Jennifer Gonzalez, de 29.

+++ Governador da Flórida amplia controle de venda de armas no Estado

"Essas mulheres corajosas dedicaram suas carreiras aos cuidados dos nossos veteranos de guerra, atuando diretamente com os soldados e militares que precisavam de atenção após desempenhar funções militares no Iraque e no Afeganistão", publicou em nota o  serviço de apoio e suporte a veteranos de guerra The Pathway Home. O asilo fundado em 1984 é a maior casa de veteranos do país, com cerca de 1.000 moradores idosos e com deficiência. Seu site diz que oferece acomodações residenciais com atividades recreativas, sociais e terapêuticas para a vida independente.

Quem foi Albert Wong

O atirador era soldado da infantaria do exército norte-americano e serviu o país entre 2011 e 2012 no Afeganistão. Ele recebeu alguns prêmios pelo serviço prestado, inclusive o de especialista em rifles - a arma usada na invasão desta sexta. 

Bastidores

O veterano do exército e morador Bob Sloan, de 73 anos, estava trabalhando na estação de TV interna quando um colega de trabalho entrou e disse que acabara de ouvir quatro disparos provenientes do Pathway House. Sloan enviou alertas para que os residentes permanecessem onde estavam. "As pessoas estão começando a se preocupar porque isto está durando tanto tempo", disse.

+++ Trump diz que decisão de armar ou não professores é dos Estados

Segundo Sloan, com exceção do barulho dos helicópteros, a casa ficou estranhamente tranquila. Ele acrescentou, ainda, que podia ver policiais portando armamento pesado agachados ao redor do prédio, alguns se protegendo atrás das árvores.

Jan Thornton, de Vallejo, Califórnia, estava entre as centenas de parentes preocupados com a forma como seus entes queridos estavam lidando com o cerco. Thornton disse que seu pai de 96 anos, um piloto de caça da Segunda Guerra Mundial, estava dentro de uma ala do hospital e ela soube por um de seus amigos que ele estava seguro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.