AFP PHOTO / SCHAFFHAUSEN POLICE
AFP PHOTO / SCHAFFHAUSEN POLICE

Ataque com serra elétrica em cidade suíça deixa 5 feridos

Polícia não fala em terrorismo e informou que uma grande operação está em curso para capturar o agressor, ainda foragido

Jamil Chade, Correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

24 Julho 2017 | 08h25
Atualizado 24 Julho 2017 | 17h12

GENEBRA – A polícia de Schaffhausen, na Suíça, fechou o centro da cidade depois que um homem atacou "diversas pessoas". Agentes descartaram a possibilidade de que o incidente tenha sido um ato terrorista e o descreveram como uma "situação especial".

Informações preliminares apontam para cinco feridos, dois deles em estado grave. Diversas ambulâncias e um helicóptero foram enviados ao local, no nordeste da Suíça e na fronteira com a Alemanha. 

Armado supostamente com uma serra elétrica, o suspeito passou a ser alvo de uma importante mobilização de policiais da região, com mais de cem agentes perseguindo o agressor, um homem de 51 anos e identificado como Franz Wrousis. A serra elétrica pode funcionar com bateria e geralmente é usada para cortar madeira ou pequenos troncos de lenha. 

Morador de um bosque da região, ele teria visado especialmente um escritório de plano de saúde. “Não se trata de um ataque contra uma pessoa hipotética, mas claramente contra uma seguradora”, comentou a polícia suíça. 

A polícia de Schaffhausen confirmou que recebeu um alerta de que um homem com uma "serra elétrica" entrou em um edifício de escritórios. O suspeito foi descrito como uma pessoa do sexo masculino que poderia ter chegado ao local com um carro branco. Em um comunicado, autoridades alertaram: "Cuidado: O suspeito é perigoso". Moradores e comerciantes da zona central da cidade de apenas 36 mil pessoas foram ordenados a deixar o local. 

A polícia ainda não deu informações detalhadas sobre estado de saúde dos feridos, mas todos foram encaminhados a um hospital.  Segundo um jornal local, ao menos um homem foi atingido na cabeça e atendido por dois policiais.

Sem histórico de ataques terroristas, os suíços adotaram cautela para descrever o caso e apenas indicam que as investigações ainda estão sendo realizadas. Neste momento, o centro da cidade continua fechado.  

O jogador brasileiro de futebol Guilherme Fioravante contou ao Estado que estava treinando no momento do ataque,  mas foi orientado pelo clube a não deixar o local do treino. “Ficamos com receio”, contou ele por telefone. O jogador está há dois anos no time do Schaffhausen, que disputa a segunda divisão da Suíça. 

De acordo com Fioravante, seu apartamento fica próximo do centro da cidade. “Nos escritórios do time, trancaram tudo e pediram para as pessoas se trancarem”, disse.  

Mais conteúdo sobre:
Suíça Alemanha terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.