EFE/Ian Langsdon
EFE/Ian Langsdon

Homem ataca soldado no metrô de Paris; polícia investiga caso como terrorismo

Segundo fonte a par da investigação, agressor seria um marroquino de aproximadamente 40 anos e sem histórico criminal conhecido; polícia francesa realiza buscas em endereço ligado ao suspeito

O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2017 | 09h04

PARIS - A França iniciou uma investigação de terrorismo depois que um homem munido de uma faca atacou um soldado em uma estação de metrô de Paris nesta sexta-feira, 15, no incidente mais recente contra tropas que protegem o sistema de transportes e pontos turísticos da capital francesa.

Paris e outras capitais europeias estão em alerta em razão de uma onda de ataques de militantes islâmicos nos últimos anos, muitos deles inspirados pelo Estado Islâmico (EI).

O incidente em Paris ocorreu horas antes de várias pessoas serem feridas em uma estação de metrô de Londres pela explosão de um artefato improvisado. A polícia está tratando como um incidente terrorista.

O agressor de Paris foi derrubado e preso. O soldado, que faz parte da chamada Operação Sentinela, uma força mobilizada na esteira dos ataques islamistas fatais cometidos na França, escapou ileso.

A polícia disse que o ataque aconteceu pouco antes das 6h30 (1h30 no horário de Brasília), hora de pico na estação de Chatelet, onde dezenas de milhares de usuários do transporte público convergem vindos dos subúrbios todos os dias.

O porta-voz do governo Christophe Castaner disse que o inquérito está sendo realizado por especialistas em contraterrorismo.

Uma fonte a par da investigação disse que o agressor é marroquino, tem cerca de 40 anos de idade e nenhum histórico criminal conhecido. A polícia está realizando buscas em um endereço ligado ao suspeito, acrescentou a fonte.

Tropas da Operação Sentinela já foram vítimas de mais de uma dúzia de ataques. No início de agosto, um homem lançou um carro sobre um grupo de soldados em patrulha no subúrbio parisiense abastado de Levallois-Perret.

Na quinta-feira a França anunciou que a força de 7 mil efetivos está sendo adaptada para se tornar mais móvel, e seus movimento menos previsíveis.

Dias antes o ministro do Interior, Gerard Collomb, disse que as agências de segurança impediram vários complôs maiores neste ano, incluindo um plano para atacar um clube noturno de Paris no final de agosto.

Militantes mataram mais de 230 pessoas em uma onda de atentados em solo francês desde 2015, e dezenas mais morreram em ataques cometidos em Londres, Manchester e Bruxelas.

Aviões de guerra franceses realizaram bombardeios contra bastiões do EI na Síria e no Iraque, e o grupo militante incentivou seus seguidores a atacarem a França. A mídia francesa disse que o agressor de Chatelet gritou referências ao Estado Islâmico ao atacar o soldado. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.