Homem ateia fogo ao próprio corpo no centro de Túnis

Um homem ateou fogo ao próprio corpo no centro de Túnis nesta terça-feira, segundo um repórter da agência France Presse, horas antes de o Legislativo do país votar a formação de um novo governo, cuja missão será retirar a Tunísia de uma profunda crise política.

Agência Estado

12 de março de 2013 | 10h29

"Este é um jovem que vende cigarros por causa do desemprego", gritou o homem antes de se autoimolar na avenida Habib Bourguiba, em frente a um prédio municipal, segundo a testemunha.

"Allahu Akbar! (Deus é o maior!)", gritou o homem, ainda consciente, ao ser levado para o hospital Ben Arous.

Pessoas que estavam próximas correram para apagar as chamas, mas não antes de o homem, que aparenta estar na casa dos 20 anos, ter sofrido sérias queimaduras. Um funcionário do hospital disse que ele "está em estado grave e que apenas seus pés não foram queimados". "Daremos a ele um anestésico por causa das dores", disse a fonte.

A avenida Habib Bourguiba, no centro da capital Túnis, foi o palco da revolução de 2011, que derrubou o ex-ditador Zine El Abidine Ben Ali. Muitos tunisianos ganham a vida vendendo cigarros nas calçadas da avenida.

O número de pessoas que cometem ou tentam cometer suicídio se multiplicou na Tunísia desde que um jovem vendedor ambulante ateou fogo ao próprio corpo em 17 de dezembro de 2010, um ato drástico de protesto contra o assédio policial.

A morte de Mohamed Bouazizi, na cidade de Sidi Bouzid, deu início a um levante popular que derrubou Ben Ali após um mês e desencadeou a Primavera Árabe.

Dificuldades econômicas e sociais foram os fatores chave que levaram à queda do regime de Ben Ali, mas dois anos após sua saída do governo o desemprego e a pobreza continuam a afetar o país do norte da África.

O crescente descontentamento nos últimos meses resultou em greves e protestos que geralmente se tornam violentos. Em novembro, cerca de 300 pessoas ficaram feridas numa semana de confrontos com a polícia no noroeste do país.

A Tunísia também luta para sair de uma crise política, intensificada pelo assassinato de Chokri Belaid, um líder opositor, em 6 de fevereiro.

Ainda nesta terça-feira, o primeiro-ministro interino Ali Larayedh vai tentar a aprovação de um voto de confiança para seu novo gabinete dos parlamentares. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Tunísiaautoimolação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.