REUTERS/Philippe Laurenson
REUTERS/Philippe Laurenson

Homem avança contra dois pontos de ônibus no sudeste da França e deixa um morto e um ferido

Ministério Público de Marselha informou que, até o momento, ‘nenhum elemento credencia a tese de um atentado terrorista’; suspeito estaria sofrendo de problemas ‘psiquiátricos’

O Estado de S.Paulo

21 Agosto 2017 | 07h35
Atualizado 21 Agosto 2017 | 12h20

MARSELHA, FRANÇA - Um homem avançou com um veículo na manhã desta segunda-feira, 21, contra dois pontos de ônibus em Marselha, sudeste da França. A ação deixou um morto e uma pessoa gravemente ferida, informou a polícia.

O Ministério Público de Marselha informou que, até o momento, "nenhum elemento credencia a tese de um atentado terrorista", e o suspeito estaria sofrendo de problemas "psiquiátricos".

O incidente aconteceu entre 8h30 e 9h30 (3h30 e 4h30 em Brasília) e o motorista foi detido.

O agressor, dirigindo uma van Renault Master, avançou contra o primeiro ponto de ônibus no distrito 13, ao nordeste da cidade portuária, e deixou uma pessoa gravemente ferida. Depois, ele seguiu para o distrito 11, mais ao sul, onde avançou contra um segundo ponto e matou uma pessoa.

O prefeito do distrito 11, Julien Ravier, afirmou à emissora BFMTV que a vítima era uma mulher com cerca de 40 anos e estava sozinha no ponto de ônibus.

Segundo o jornal local La Provence, o suposto agressor tinha antecedentes criminais por delitos menores. A zona do Porto Antigo de Marselha, onde o suspeito de 35 anos foi detido, está completamente isolada.

Em uma mensagem no Twitter, a polícia informou que uma operação estava em curso e pediu aos moradores que permaneçam afastados da região onde foram registrados os atropelamentos.

O incidente aconteceu no momento em que a polícia de toda Europa procura o motorista de uma van que atropelou um grupo de pessoas no centro turístico de Barcelona na semana passada, deixando 13 mortos e mais de 100 feridos

O uso de veículos como arma de terror é um método atribuído ao grupo jihadista Estado Islâmico (EI). A França, um dos países europeus mais afetados pelo terrorismo, se encontra em estado de emergência desde os atentados de 2015. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.