REUTERS
REUTERS

Ataques de homens-bomba a 3 cidades da Arábia Saudita deixam 4 mortos

Nenhum grupo assumiu a autoria dos atentados perto da Mesquita do Profeta em Medina, na proximidades do consulado dos EUA em Jeddah e em Qatif; explosões ocorrem em meio a ações do grupo Estado Islâmico em vários países da região

O Estado de S. Paulo

04 de julho de 2016 | 08h35

RIAD - Uma série de atentados terroristas, aparentemente coordenados, atingiu nesta segunda-feira, 4, três cidades da Arábia Saudita, a três dias do fim do Ramadã – o mês sagrado do islamismo. Ao menos cinco pessoas morreram no ataque em Medina, uma das cidades sagradas do Islã. Os outros atentados ocorreram nas cidades de Jeddah, onde uma bomba explodiu perto do consulado americano, e Qatif, cidade de maioria xiita. 

A explosões ocorreram em meio a vários ataques cuja autoria foi reivindicada pelo Estado Islâmico nos últimos dias em países vizinhos, como Iraque e Turquia. No domingo, 215 pessoas morreram em Bagdá. Na semana passada, o Aeroporto de Istambul foi alvo de um atentado a tiros e bombas que deixou 41 mortos.

Os ataques de hoje na Arábia Saudita parecem ter sido marcados para coincidir com a aproximação do Eid al-Fitr, feriado que celebra o fim do jejum de Ramadã. Até a noite de ontem, nenhum grupo havia assumido a autoria dos ataques. 

No único dos três ataques que deixaram mortos, além dos homens-bomba, explosões ocorreram na tarde de hoje perto do centro de segurança da Mesquita do Profeta, em Medina, o segundo lugar mais sagrado do Islã. Um homem-bomba e quatro seguranças morreram. 

Um vídeo enviado à agência Reuters por uma testemunha após o atentado de Medina mostrou grandes chamas entre os veículos estacionados, com sirenes ao fundo. Uma foto enviada à Reuters mostrou um homem queimado e sangrando em uma maca em um hospital. 

Imagens publicadas em redes sociais mostravam incêndios em edifícios próximos à mesquita do profeta, um dos locais sagrados de Medina, onde está sepultado Maomé. 

O primeiro ataque do dia ocorreu em Jeddah, no oeste da Arábia Saudita, quando um homem-bomba detonou explosivos perto do consulado americano na cidade. Ele acionou o colete-bomba quando seguranças o abordaram. Os guardas sofreram ferimentos leves. Os funcionários do corpo diplomático americano na cidade foram transferidos do local. 

Foi a primeira tentativa de um ataque contra estrangeiros no reino, que há anos tem sido um aliado crucial do governo dos Estados Unidos. Tradicionalmente, o alvo dos ataques do Estado Islâmico na Arábia Saudita é a minoria xiita. 

Outro terrorista detonou uma bomba perto da mesquita de Al-Umran, no centro da cidade de Qatif, de maioria xiita, informou à agência EFE uma testemunha. Ela acrescentou que não havia informações de que o ataque tivesse provocado vítimas.

A área foi cercada pelas forças de segurança. Nas redes sociais, moradores da região divulgaram vários vídeos do local do ataque, em que mostram um leve incêndio produzido pela explosão.

A Província de Qatif foi palco de protestos por parte dos xiitas, assim como de atos violentos – como ataques contra delegacias e membros das forças de segurança. Em maio do ano passado, outro atentado suicida contra um templo xiita de Qatif deixou mais de 20 mortos e centenas de feridos. As áreas de maioria xiita no reino queixam-se de marginalização. / REUTERS, NYT e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.