Reuters
Reuters

Homem-bomba mata 5 em agência da ONU no Paquistão

Vestido de soldado paramilitar, terrorista ataca escritório do Programa Mundial de Alimentos em Islamabad

estadao.com.br,

05 de outubro de 2009 | 08h42

Um homem-bomba vestido como soldado paramilitar atacou um escritório do Programa Mundial de Alimentos (WFP) da ONU na capital paquistanesa nesta segunda-feira, 5, matando cinco pessoas e deixando diversos feridos, segundo autoridades.

 

Segundo a BBC, nenhum grupo reclamou a autoria do atentado, mas o Taleban paquistanês é o principal suspeito. Os insurgentes prometeram vingança pela morte de seu líder Baitullah Mehsud em um ataque de aviões não tripulados americanos em agosto passado. Recentemente, o grupo esteve por trás de uma série de atentados no país.

O Paquistão luta contra militantes islâmicos que usaram diversas bombas em cidades e centros visando as forças de segurança do governo e estrangeiros como alvo. "Fui para o meu escritório no primeiro andar e enquanto sentava na minha cadeira ouvi uma grande explosão", afirmou Arshad Jadoon, da WFP, à Reuters fora da representação fortemente guardada numa área residencial em Islamabad.

Autoridades nos hospitais da cidade afirmaram que cinco pessoas foram mortas. A polícia afirmou que um estrangeiro, um iraquiano, estava entre os mortos enquanto a WFP afirmou que três pessoas de sua equipe foram mortas e outras várias ficaram feridas.

A ONU fechou temporariamente seu escritório no Paquistão depois da explosão por motivo de segurança, afirmou uma porta-voz da organização. Segundo Malik, o agressor estava disfarçado de soldado paramilitar e entrou na WFP depois de pedir a um guarda no portão se poderia usar o banheiro.

 

Cães farejadores foram levados para o local e investigadores estavam no telhado, procurando pistas. O edifício agora está cercado pela polícia anti-terrorismo, fortemente armada. Para o Paquistão, esta é uma desconfortável lembrança de que sua capital continua vulnerável e prova que os militantes ainda podem atacar, apesar da segurança reforçada.

 

O Exército fez algum progresso contra militantes no noroeste e o ministro do Interior, Rehman Malik, afirmou que o pilar do Taliban paquistanês foi quebrado. Mas os militantes contra-atacaram com diversas atentados a bomba nos últimos dias, num momento que o Exército se prepara para lançar uma ofensiva no maior bastião do Taliban paquistanês na região de Waziristão do Sul, na fronteira com o Afeganistão.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.