Homem-bomba mata dez no Afeganistão

Um homem-bomba detonou os explosivos atados a seu corpo numa cidade da região central do Afeganistão, suicidando-se, causando a morte de mais dez pessoas e ferindo outras 50, informaram autoridades locais. O atentado ocorreu a apenas 500 metros do local onde encontrava-se, naquele momento, o embaixador americano no Afeganistão. A Embaixada dos Estados Unidos e autoridades locais informaram que o embaixador Ronald Neumann e outros funcionários americanos que estavam em Tirin Kot, na hora do atentado, escaparam ilesos. Dizendo ser um porta-voz do Taleban, um homem reivindicou a autoria do ataque em nome da milícia fundamentalista islâmica. A explosão ocorreu a apenas 500 metros da residência do governador da província de Uruzgan, da qual Tirin Kot é a capital, disse Abdullah Khan, porta-voz do governo local. O embaixador e sua comitiva estavam na residência no momento do ataque, mas ninguém ali foi atingido. Abdul Aziz, vice-governador de Uruzgan, e o comandante militar Rhamatullah Rawofi, disseram que dez afegãos morreram no atentado. Aziz disse que 50 pessoas ficaram feridas, inclusive o subcomandante da polícia de Uruzgan. Dos 50 feridos, 15 encontram-se em condições críticas e foram levados a um hospital de Kandahar, uma província vizinha. Aziz contou que o embaixador americano, que sempre viaja com um amplo aparato de segurança e não divulga sua agenda, foi rapidamente levado para o interior de uma saleta por seus guarda-costas, assim que a explosão foi ouvida. O diplomata foi mantido no local por cerca de 15 minutos antes de deixar o prédio. Pouco depois da explosão, Qari Mohammed Yousaf, que se diz porta-voz do Taleban, telefonou para a Associated Press para reivindicar, em nome do grupo, a autoria do atentado. De acordo com ele, o comando do Taleban estava ciente de que "altos funcionários americanos" planejavam visitar Tirin Kot.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.