EI reivindica ataque a mesquita de Cabul; ao menos 30 morreram

Grupo não assumiu o outro atentado, ocorrido em uma mesquita sunita; somente na sexta, ocorreram cerca de 60 óbitos

O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2017 | 15h06

CABUL - Atualizado dia 21 de outubro às 4h50- Ao menos 30 pessoas morreram nesta sexta-feira, 20, quando um homem-bomba se explodiu em meio aos peregrinos em uma mesquita xiita de Cabul, informou a polícia. Segundo fontes, 41 pessoas ficaram feridas no atentado, cuja autoria foi reivindicada pelo Estado Islâmico no início da manhã deste sábado, 21. Pouco tempo despois, no mesmo dia, outra mesquita, agora sunita, foi atacada. Ocorreram cerca de 60 óbitos nesta sexta.  

+ Sargento americano Bowe Bergdahl se declara culpado de deserção no Afeganistão

"Infelizmente um suicida explodiu a si mesmo entre os fiéis dentro da mesquita de Dasht-e-Barchi, na cidade de Cabul", afirmou o porta-voz Abdul Bassir Mujahid. A notícia dos disparos já havia sido dada anteriormente pelo chefe da polícia criminal, general Mohamad Salim Amas.

"As nossas ambulâncias transferiram dez corpos e sete feridos. As vítimas podem aumentar, já que algumas delas foram levadas pela polícia ou pelos cidadãos até os hospitais e não foram contabilizadas ainda", disse o porta-voz do Ministério de Saúde Pública, Ismail Kawusi.

Uma fonte de segurança que pediu anonimato confirmou que a detonação aconteceu dentro da mesquita Imam Zaman por volta das 18h (11h30 em Brasília), quando ela estava cheia de fiéis.

O número de mortos e feridos é "alto", segundo a fonte, que destacou a grande popularidade desta mesquita situada na área de Dasht-e-Barchi, onde vivem principalmente membros da minoria hazara.

Cabul sofreu vários atentados semelhantes em locais de culto xiita, sendo que o mais recente aconteceu no dia 19 de setembro e deixou seis mortos. / AFP e EFE

Reveja: Sobe para 90 o número de mortos em Kabul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.