''''Homem da mala'''' esteve na Casa Rosada, diz promotora

O empresário venezuelano Guido Antonini Wilson, protagonista do "escândalo da maleta", esteve no palácio presidencial da Argentina em 6 de agosto, dois dias após ter tentado entrar no país com US$ 790 mil de forma ilegal, revelou ontem a promotora federal argentina Luz Rivas Diez, que investiga o caso. O escândalo ganhou intensidade há duas semanas, quando a Justiça Federal de Miami e o FBI indicaram que havia fortes suspeitas de que o dinheiro levado por Antonini Wilson era destinado à campanha de Cristina Kirchner, eleita presidente em outubro. O governo argentino nega ter ligações com o empresário e afirma que as denúncias da Justiça americana e do FBI, feitas com base em gravações de conversas de supostos agentes venezuelanos detidos em Miami, são "ofensivas".Segundo a promotora argentina, a presença de Antonini Wilson na Casa Rosada foi denunciada por Victoria Bereziuk, ex-secretária de Ricardo Uberti, um dos homens de confiança de Julio De Vido, atual ministro do Planejamento. De Vido foi braço direito do ex-presidente Néstor Kirchner. A secretária disse que viu Antonini Wilson num coquetel para representantes do governo da Venezuela. Victoria viajou no avião da estatal argentina Enarsa que, em agosto, transportou Antonini Wilson de Caracas para Buenos Aires.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.