Homem de Gelo de 5.000 anos ganha um iglu no museu

O Homem de Gelo, a múmia do caçador europeu de 5.000 anos, encontrada congelado nos Alpes, foi mudado para um lugar bem mais refrigerado. Funcionários do Museu Arqueológico do Tirol do Sul, na região do Alto Adige, norte da Itália, construíram um iglu dentro do museu com tijolos de gelo para manter Oetzi, nome com que ficou conhecido, mais frio e úmido para melhor preservar seus resto.Um grupo de excursionistas descobriu o corpo bem preservado de Oetzi por acidente, em 1991. Desde então, ele, suas roupas e armas abriram uma janela para o pouco conhecido mundo europeu da Idade do Cobre.Desde que sua múmia foi colocada em exposição, o Homem de Gelo estava perdendo cinco gramas de peso, em água, a cada 24 horas, principalmente por que a umidade em sua cela refrigerada baixava em razão das luzes e de uma janela para a visão do público. Os especialistas eram capazes de recompensar a perda, expondo-o a um tratamento de umidade artificial a cada duas semanas.Mas, com o iglu, o tratamento não será mais necessário, informa o museu. A cela de gelo mantém uma temperatura constante em ?6,12 graus centígrados e a umidade em 97,12%. Anteriormente, a cela tinha um nível de umidade de 97,12% e a temperatura variava ligeiramente.Oetzi agora jaz num tampo de mesa de vidro, um braço cruzado sobre o peito, rodeado de paredes de blocos de gelo e uma pequena janela para a visão do público.Desde sua descoberta, Oetzi forneceu aos pesquisadores valiosas informações sobre o Neolítico tardio, ou de 3.300 a 3.100 A.C.. Há dois anos, seu corpo foi descongelado temporariamente e os cientistas puderam pegar amostras para estudo. A primeira coisa que anunciaram foi que a última refeição de Oetzi incluiu pão ázimo feito de uma variedade de trigo cultivada em regiões desérticas, assim como alguns grãos.Em setembro, outros pesquisadores expandiram essa descoberta, extraindo DNA do conteúdo de seus intestinos e descobriram que ele também tinha consumido carne de veado em suas últimas refeições ? reforçando a teoria de que era um caçador.Como muito pouco a mais é sabido sobre o próprio Oetzi, o fato de ele carregar um arco, aljava de flechas e um machado de cobre, levaram a especulações de que ele era um caçador ou um guerreiro.No ano passado, raios-X revelaram que Oetzi foi morto por uma flecha cuja ponta permaneceu em seu ombro esquerdo. O que levou a novas especulações que vão da morte em batalha a assassinato ritual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.