Homem diz que havia quinto suicida em atentados a Londres

O amigo de um dos quatro suicidas que realizaram os ataques contra a rede de transporte de Londres, em 7 de julho de 2005, assegurou que havia um quinto terrorista que decidiu não participar do plano horas antes das explosões, revelou neste domingo o jornal britânico "The Sunday Times".A Scotland Yard investiga essas afirmações, feitas por um amigo de Shezhad Tanweer, que detonou uma bomba em um vagão do metrô da linha "Circle Line", onde morreram oito pessoas, incluindo o terrorista.O quinto suicida deveria detonar os explosivos que ficaram abandonados em uma mochila encontrada debaixo do assento do carro utilizado pelos terroristas, que estava estacionado na estação de trem de Luton, no norte de Londres. Apesar de esses artefatos abandonados não terem tanto poder quanto as bombas utilizadas nos atentados, que mataram 56 pessoas - incluindo os quatro suicidas - e deixaram mais de 700 feridas, a Polícia britânica nunca encontrou uma explicação convincente do uso desses explosivos, afirmou o jornal.O quinto terrorista, um britânico de origem paquistanesa, como outros três dos suicidas, teria aproximadamente 30 anos. De acordo com o jornal "The Sunday Times", o quinto suicida teria confessado sua participação no atentado a um membro de sua família.O relatório oficial do Governo britânico sobre os atentados, apresentado em maio passado, afirma que "não há dados que indiquem que houve um quinto ou mais suicidas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.