Dale de la Rey / AFP
Dale de la Rey / AFP

Homem é queimado vivo durante discussão com manifestantes em Hong Kong

Ataque incomum de violência foi gravado em vídeo e transmitido pelas redes sociais; mais cedo, um ativista encapuzado que participava de protesto foi baleado por um policial; Londres pede diálogo

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2019 | 05h33
Atualizado 11 de novembro de 2019 | 15h30

HONG KONG - A polícia de Hong Kong informou nesta segunda-feira, 11, que um homem teve seu corpo borrifado com um líquido inflamável e transformado em uma tocha humana após uma briga com manifestantes pró-democracia, um ataque de violência incomum que foi gravado em vídeo e transmitido pelas redes sociais. 

Pelo menos três vídeos do que aconteceu foram publicados em fóruns utilizados por manifestantes. Em todos eles, o homem, usando camisa verde, é visto discutindo com outras pessoas em uma passarela. 

Um dos vídeos mostra um homem vestido de preto borrifando um líquido na vítima antes de incendiá-la, causando pânico entre as pessoas que estavam por perto. (ATENÇÃO, IMAGENS FORTES)

"No incidente mais assustador, os manifestantes derramaram líquido inflamável sobre uma pessoa e atearam fogo nela", disse o porta-voz da polícia, John Tse, em entrevista coletiva, enquanto imagens do ataque eram transmitidas em uma tela. "O homem foi hospitalizado em estado crítico."

Para Entender

Cinco meses de protestos em Hong Kong: do polêmico projeto de lei ao apoio internacional

Manifestações mergulharam o território semiautônomo em sua pior crise política desde que foi devolvido pelo Reino Unido à China

Escalada da violência

A agressão ocorreu no bairro de Ma On Shan, cerca de 20 km ao norte do distrito financeiro central. A segunda-feira foi um dos dias mais violentos em Hong Kong desde o início, há cinco meses, da mobilização de ativistas pró-democracia, que representa a mais grave crise política na ex-colônia britânica desde a sua devolução à China em 1997.

Tse disse ainda que, pouco antes do ataque, manifestantes mascarados haviam saqueado a estação de Ma On Shan. 

Os investigadores acreditam que o homem de camisa verde "perseguiu os vândalos". "Mais tarde, eles o espancaram e o transformaram em uma tocha humana", acrescentou.

Um porta-voz da autoridade sanitária disse que um homem com queimaduras foi internado no Hospital Prince of Wales, o mais próximo de Ma On Shan. 

A origem da briga é desconhecida, mas nos vídeos parece que o homem de camisa verde critica os apoiadores do movimento pró-democracia, e as pessoas na passarela respondem a ele com insultos.

Disparo contra manifestante

Um manifestante encapuzado foi baleado por um policial durante protestos nesta segunda em Hong Kong. O momento do disparo foi transmitido ao vivo pela internet, e uma fonte policial confirmou que munição letal foi utilizada.

Nas imagens é possível ver um agente tentando dominar fisicamente uma pessoa com uma jaqueta branca no bairro de Sai Wan Ho, em um cruzamento bloqueado por manifestantes.

Outro homem encapuzado, vestido de preto, se aproxima e o policial claramente atira em seu corpo. O homem não identificado cai de imediato, levando as mãos ao lado esquerdo do corpo. Segundos depois, o mesmo agente faz outros dois disparos e as imagens mostram um segundo encapuzado caindo no chão, embora o vídeo não deixe claro a natureza de seus ferimentos.

Uma fonte da polícia disse que foram usadas munições de chumbo contra pelo menos um manifestante no distrito de Sai Wan Ho.

Para Londres, violência preocupante

O Ministério das Relações Exteriores da Inglaterra considerou preocupante a violência registrada em Hong Kong como visto nesta segunda-feira. "Os eventos de hoje são profundamente perturbadores. Estamos seriamente preocupados com a atual violência e a escalada entre manifestantes e a polícia", disse um porta-voz do ministério. 

"Os manifestantes devem evitar a violência e a polícia não deve responder desproporcionalmente. Todas as partes precisam encontrar uma maneira de avançar no diálogo."

Hong Kong tem sido sacudida nos últimos cinco meses por grandes manifestações, com enfrentamentos cada vez mais violentos entre manifestantes e policiais. Esta foi a terceira ocorrência de disparos contra manifestantes desde o início dos protestos.

No dia 1.º de outubro, um estudante de 18 anos foi baleado no peito enquanto avançava contra um policial. Três dias depois, um agente à paisana disparou contra um grupo que o cercava, atingindo na perna um adolescente de 14 anos. / AFP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Hong Kongprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.