Homem é resgatado no mar após três meses à deriva

Um homem de 62 anos sobreviveu três meses em seu barco à deriva no mar, cozinhando tartarugas e aves marinhas e coletando água da chuva. Richard Van Pham, que chegou aos Estados Unidos na terça-feira, foi resgatado por um navio de guerra da Marinha, após ter sido detectado a 443 quilômetros a sudoeste da Costa Rica. Ele tinha desaparecido durante o verão (boreal) depois de partir em uma viagem de barco a vela para a Ilha de Santa Catalina, na costa de Los Angeles.Van Pham chegou de avião da Guatemala e ficou detido até que a residência legal fosse confirmada, disse o porta-voz do Serviço de Imigração e Naturalização, Francisco Arcaute. Van Pham, natural do Vietnã e morador de Long Beach, foi entregue a Travelers Aid, uma entidade que ajuda viajantes extraviados. O nome de Van Pham não constava na lista telefônica de Long Beach.Funcionários da Marinha disseram que Van Pham foi encontrando a bordo do barco a vela danificado pela fragata McClusky, que está sediada em San Diego, e entregue a autoridades norte-americanas na Guatemala no domingo. A tripulação do McClusky fez uma coleta de US$ 800,00 para pagar pela viagem de avião dele para casa. "Ele é um cara resistente", disse o comandante Gary Parriott, o capitão do McClusky, ao jornal The San Diego Union-Tribune. Apesar de ter perdido cerca de 18 quilos, Van Pham está em boas condições de saúde. Parece que ele partiu de Long Beach no barco a vela de 26 pés (8 metros), o Sea Breeze, com destino à ilha de Santa Catalina, a cerca de 40 quilômetros da costa. No caminho, uma tempestade quebrou o mastro da embarcação e o motor de popa e o rádio de comunicação sofreram uma pane.Quando a McClusky o encontrou, em 17 de setembro, os membros da tripulação viram um homem cozinhando uma gaivota em uma grelha improvisada. Uma vela pendia do mastro estilhaçado. O suboficial de 1ª classe, A. J. Davis, disse que Van Pham contou ter matado tartarugas marinhas do mar com um bastão quando elas nadavam próximas ao barco, cozinhado parte da carne e usado o restante como isca para os aves marinhas."Esta é uma extraordinária história de sobrevivência", disse o oficial da Guarda Costeira, Lance Jones. "E isso também demonstra a importância de deixar um plano de viagem com amigos ou parentes". Sendo impossível consertar o seu barco, Van Pham concordou com o afundamento e os membros da tripulação o incendiaram. "Demos adeus ao barco dele", disse o suboficial de 3ª classe, Joseph Slaight. "Ele ficou aborrecido e disse que vai sentir falta dele".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.