Saeed Khan / AFP
Saeed Khan / AFP

Homem esfaqueia mulher em Sydney e é contido por pedestres

De acordo com as forças de segurança, vítima está em condição ‘estável’; segundo as autoridades, agressor teria matado uma pessoa em uma residência antes de iniciar o ataque

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2019 | 06h48
Atualizado 13 de agosto de 2019 | 15h12

SYDNEY, AUSTRÁLIA - A polícia da Austrália informou que um homem de 21 anos esfaqueou uma mulher e perseguiu outras no centro de Sydney nesta terça-feira, 13. O agressor, natural da mesma cidade e com antecedentes de distúrbios mentais, foi contido por pessoas que caminhavam pelo local. Segundo as autoridades, ele teria matado uma mulher em uma residência antes de iniciar o ataque.

Um comandante da polícia de Nova Gales do Sul afirmou que o agressor não tem vínculos com organizações terroristas, mas que tinha um pen drive com detalhes dos recentes ataques supremacistas nos Estados Unidos e na Nova Zelândia.

De acordo com as forças de segurança, a vítima esfaqueada no centro de Sydney tem 41 anos e está em condição "estável". Imagens divulgadas por meios de comunicação australianos mostram um homem pulando sobre um veículo com uma faca e gritando "Allahu Akbar" (Alá é grande, em árabe) e "Atirem em mim". Mesmo assim, a polícia informou que não está claro se o ataque teve motivação política.

Megan Hayley, que testemunhou o ataque, afirmou que o agressor, com uma grande faca de cozinha, perseguiu outras pessoas em um bairro de Sydney depois de esfaquear uma mulher. "Cinco ou seis pessoas o perseguiram. Elas o pararam e o neutralizaram", disse ela.

Agressor imobilizado

Entre as pessoas que perseguiram o agressor estavam Alex Roberts e os irmãos Lee Cuthbert e Paul e Luke O'Shaughnessy, funcionários de uma empresa de consultoria que desceram de seu escritório no quarto andar para deter o homem com a faca.

"Abrimos a janela e vimos o homem com uma faca pulando sobre um carro", contou Paul O'Shaughnessy, ex-jogador de futebol. Convencido de que era um ataque terrorista, Luke, campeão de boxe tailandês, liderou a perseguição.

"Todos descemos correndo do edifício e o perseguimos pelas ruas", disse Roberts. "Sentíamos uma espécie de pânico, ninguém sabia realmente o que estava acontecendo. Não foi uma terça-feira normal."

Cuthbert destacou que Luke, com a ajuda de outro homem, conseguiu jogar o agressor no chão e o bloqueou com cadeiras e uma caixa até a chegada da polícia.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, enalteceu a coragem dos jovens. "O agressor está agora sob custódia policial graças às ações corajosas dos que estavam presentes e foram capazes de controlá-lo", escreveu ele no Twitter. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.