EFE/EPA
EFE/EPA

Agressor que esfaqueou 8 pessoas na Rússia é identificado

Trata-se de um morador da cidade de Surgut nascido em 1994; Estado Islâmico assumiu a autoria de ataque

O Estado de S.Paulo

19 Agosto 2017 | 07h41

MOSCOU - As autoridades russas identificaram o homem que esfaqueou neste sábado, 19, oito pessoas em um ataque indiscriminado no centro da cidade de Surgut, antes de ser morto pela polícia, que ainda não fala em ataque terrorista.

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) assumiu, neste sábado, a autoria do ataque indiscriminado com uma faca que deixou oito pessoas feridas no centro da cidade de Surgut, na Rússia, de acordo com a agência 'Amaq'.

"Todas as vítimas foram hospitalizadas com ferimentos de diversas gravidades", diz um comunicado do Comitê de Instrução (CI) da Rússia. A polícia não demorou a chegar ao local dos fatos.

A autoridade judicial russa revisará os antecedentes médicos do agressor para investigar se sofria de algum tipo de doença psiquiátrica.

O jovem perambulava nesta manhã pelas ruas do centro de Surgut com uma faca e atacou vários transeuntes, deixando oito pessoas feridas.

A polícia não demorou para chegar ao local dos fatos e matar o agressor. Segundo um dirigente das autoridades de saúde da região autônoma de Janti-Mansiysk, na qual fica Surgut, dois dos feridos estão em estado grave.

De acordo com os últimos dados oficiais, quatro das sete vítimas estão em estado grave.

Outros atentados. O ataque ocorreu no dia seguinte a outros similares ocorridos na Finlândia e na Alemanha, onde várias pessoas foram esfaqueadas.

Pelo menos duas pessoas morreram em um ataque cometido por um jovem marroquino armado com uma faca em uma praça da cidade de Turku, no sudoeste a Finlândia, que deixou outros sete indivíduos feridos.

Outra pessoa morreu em Wuppertal (oeste da Alemanha), após ser esfaqueada por um homem que fugiu e segue sendo procurado pelas forças de segurança alemãs. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Rússia Moscou [Rússia] Polícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.