Homem ganha US$ 400 mil por manter ereção há dez anos

Um homem de 68 anos receberá mais de US$ 400 mil com base em uma ação contra o fabricante de uma prótese, que o deixou com uma ereção que não cede há dez anos. Charles "Chick" Lennon recebeu a prótese de enxerto de aço inoxidável e plástico em 1996, aproximadamente dois anos antes de sair no mercado o medicamento contra disfunção erétil Viagra.A prótese Dura-II foi desenvolvida para permitir que o usuário provocasse uma ereção artificial com o fim de poder ter relações sexuais e logo abaixar o pênis, de acordo com a vontade. Por razões não muito claras, Lennon não conseguiu baixar seu pênis novamente. Seu advogado, Jules D´Alessandro, disse que não havia possibilidade de retirar a prótese por riscos de saúde.O problema fez com que Lennon não pudesse mais abraçar outras pessoas, andar de bicicleta, nadar ou vestir trajes de banho, seja pela dor física que se causava ou por vergonha. Seu advogado completou que seu cliente se tornou uma pessoa solitária e que se sentia incomodado de ficar próximo a seus netos. Lennon ganhou uma causa contra o fabricante do dispositivo em 2004, e um jurado o concedeu US$ 750 mil. Sem embargo, um juiz considerou que o pagamento era excessivo e o reduziu para US$ 400 mil. Na última sexta-feira, o supremo Tribunal de Rhode Island confirmou o pagamento em um documento processual. O advogado que representa tanto o fabricante de Dura-II Dacomed Corp., como a seguradora da companhia, se recusou a fazer comentários. A empresa insistiu que a prótese não tinha imperfeições.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.