Homem morre após atirar em consulado mexicano no Texas

Homem morre após atirar em consulado mexicano no Texas

Apesar de policial ter atirado contra o autor do ataque, autoridades não sabem se ele morreu com esse tiro ou se tirou a própria vida

O Estado de S. Paulo

28 Novembro 2014 | 19h54

Um homem armado tentou incendiar o consulado do México no Texas e disparou mais de cem tiros na área antes de morrer nesta sexta-feira, de acordo com autoridades da cidade de Austin. Os investigadores estão tentando identificar os motivos que levaram o homem a atirar no consulado, na sede da polícia de Austin, em um tribunal e em outros prédios.

Alguns dos edifícios estão próximos ao popular distrito de entretenimento Sixth Street, onde os bares fecham às 2h da manhã, quase no mesmo horário em que o tiroteio começou. De acordo com o chefe de polícia, Art Acevedo, milhares de pessoas costumam estar nas ruas neste momento. "Com tantas pessoas nas ruas, nós tivemos muita sorte. Eu agradeço que ninguém, com exceção do suspeito, foi ferido ou morto". O incidente durou cerca de dez minutos desde a primeira ligação para a polícia.

O Departamento de Relações Exteriores do México expressou, em um comunicado, "profundas preocupações" e condenou o ataque, mas também afirmou que "não há evidências de que os tiros foram direcionados exclusivamente ao prédio (do consulado)".

Acevedo disse que um policial atirou contra o homem armado em frente à entrada principal da sede da polícia, mas que não está claro se ele morreu com esse tiro ou se tirou a própria vida. O atirador era um homem de cerca de 50 anos e tinha registros criminosos. Sua identidade não foi imediatamente liberada.

Após o atirador ser baleado, policiais identificaram que ele estava usando um colete que eles acreditavam que poderia explodir. Um esquadrão antibombas foi chamado e mais tarde foi esclarecido que não havia itens explosivos.

A equipe tática da polícia foi para um complexo de apartamentos em Austin onde o atirador vivia. O FBI também participa das investigações. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EUAMéxicoviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.