Stephen Maturen / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP
Stephen Maturen / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP

Homem negro morre em abordagem policial e gera nova onda de protestos nos EUA

Centenas de manifestantes entraram em confronto com a polícia e lembraram do assassinato de George Floyd por um policial branco num local próximo ao do incidente deste domingo

Reuters, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2021 | 08h33

MINNEAPOLIS, EUA – Manifestantes entraram em confronto com a polícia em Minneapolis, no estado de Minnesota (EUA), neste domingo, depois que um policial matou um homem negro.

O caso ocorreu numa área a cerca de 16 quilômetros de onde George Floyd foi morto, em maio do ano passado, também durante uma ação policial. A vítima da polícia foi identificada por parentes, no local, como Daunte Wright, de 20 anos, segundo o jornal Star Tribune.

No protesto, que reuniu centenas de pessoas, algumas com cartazes exigindo "Justiça para George Floyd", um grupo chegou a revidar a ação policial com pedras, atingindo duas viaturas. 

A tropa de choque usou gás lacrimogêneo e atirou com balas de borracha contra os manifestantes, atingindo pelo menos dois na multidão, um deles foi atendido com sangramento na cabeça, segundo uma testemunha.

Em um comunicado, a polícia do Brooklyn Center disse que os policiais pararam um homem devido a uma infração de trânsito, pouco antes das 14h, e descobriram que ele tinha um mandado de prisão pendente.

Enquanto a polícia tentava levá-lo, ele voltou a entrar no veículo. Um policial atirou no motorista, segundo o comunicado. O motorista ainda dirigiu por vários quarteirões antes de atingir outro veículo e morrer no local.

O governador de Minnesota, Tim Walz, disse que estava monitorando a situação. "Estamos orando pela família de Daunte Wright, enquanto nosso estado lamenta outra vida de um homem negro levado por policiais", disse ele no Twitter.

A tensão na área é extremamente alta, no momento em que o julgamento de Derek Chauvin, um policial branco de Menneapolis, entra hoje em sua terceira semana de depoimentos. Numa abordagem policial, Chauvin ajoelhou-se no pescoço de George Floyd, que já estava algemado, asfixiando-o até a morte.

A morte de Floyd gerou protestos nos EUA e em todo o mundo contra a brutalidade policial e a injustiça racial.

Em um comunicado, o prefeito do Brooklyn Center, Mike Elliott, fez um apelo: "Estamos pedindo aos manifestantes que continuem a ser pacíficos e que não sejam tratados com brutalidade". / REUTERS E AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.