Homem parado lança nova maneira de protestar na Turquia

Após semanas de confronto violento com a polícia, manifestantes turcos encontraram uma maneira mais eficiente de resistência: permanecer parado.

Agência Estado

18 Junho 2013 | 15h05

Na segunda-feira à noite, o artista performático Erdem Gunduz lançou a tendência ao permanecer parado em silêncio por horas na Praça Taksim, em Istambul, simbolizando um passivo desafio à violenta repressão promovida pelo primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan contra ambientalistas em um parque adjacente à praça Taksim. A praça permanece fechada para manifestantes desde o final de semana.

Com as mãos no bolso, Gunduz ficou olhando para uma imagem de Mustafa Kemal Ataturk, fundador e primeiro presidente da Turquia. Quando a polícia chegou, uma hora mais tarde, seus pertences foram revistados. O manifestante permaneceu imóvel por horas.

Quando indagado pelos repórteres sobre o protesto, ele explicou à agência de notícias turca Dogan: "É evidente. As pessoas não estão sendo autorizadas a entrar em Taksim".

Outros manifestantes se juntaram a Gunduz. O protesto foi replicado em outras cidades representando uma onda de imitação social, impulsionada pela mídia. Em Ancara, uma mulher parou em um local onde manifestantes foram mortos. Na manhã dessa terça-feira, a polícia interveio e dispersou a multidão ao redor de Gunduz, prendendo vários manifestantes. Não ficou claro se Gunduz estava entre os presos.

O ministro do Interior, Muammer Guler, disse que as autoridades não iriam intervir contra qualquer demonstração que não ameaçasse a ordem pública, mas essa promessa pode ser testada rapidamente. Ativistas convocaram uma manifestação nacional em pé. " Temos que parabenizá-lo (Gunduz). Ele começou um grande movimento'', disse Ozgur Volkan, que se juntou aos manifestantes que estavam parados e em pé em Taksim. Fonte: Associated Press

Mais conteúdo sobre:
Turquiaprotestoshomem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.