REUTERS/Guadalupe Pardo
REUTERS/Guadalupe Pardo

Homem pula pela janela segundos antes de ônibus cair em penhasco no Peru e escapa de acidente

Máximo Jiménez Vilcayaura, de 24 anos, fraturou um dos braços e sofreu ferimentos menores; equipes de resgate reiniciaram nesta quarta-feira as operações de busca e recuperação das vítimas

O Estado de S.Paulo

03 Janeiro 2018 | 15h02

LIMA - Um homem sobreviveu ao acidente que deixou 48 mortos na terça-feira no norte de Lima, capital do Peru, após saltar pela janela do ônibus pouco antes de o veículo cair em um penhasco próximo ao mar, informou nesta quarta-feira, 3, a imprensa local.

"Ele disse que, ao ver que o ônibus caía, se jogou e caiu na estrada antes de o ônibus ir para o precipício. Por isso, sofreu apenas alguns ferimentos sem gravidade", afirmou o diretor do hospital da cidade de Chancay, Víctor Virú, ao Canal N.

Segundo os médicos, o homem, identificado como Máximo Jiménez Vilcayaura, de 24 anos, fraturou um dos braços e sofreu ferimentos menores. Após sair do ônibus, ele parou um carro que passava pela região, e o motorista o levou até o hospital de Chancay.

Vilcayaura foi um dos seis sobreviventes da queda do veículo no precipício. Os outros cinco, no entanto, ficaram gravemente feridos e ainda estão internados em hospitais próximos.

O acidente aconteceu na estrada Pan-Americana Norte, a cerca de 45 quilômetros de Lima, em um local conhecido como a "curva do diabo", que passa por uma região montanhosa cercada pelo Oceano Pacífico.

Vários acidentes de trânsito já foram registrados no trecho. A estrada tem grande circulação de veículos pesados, é bastante sinuosa e coberta por neblina em razão da proximidade do mar.

O chefe da polícia rodoviária, Dino Escudero, disse que o ônibus partiu na manhã de terça-feira da cidade de Huacho, no norte do país, rumo a Lima, com 57 passageiros, além do motorista e uma tripulante. O veículo caiu no precipício após se chocar com outro.

O ministro de Transportes do Peru, Bruno Giuffra, informou que os primeiros dados coletados dos GPS dos veículos indicaram como causa do acidente o excesso de velocidade.

As equipes de resgate reiniciaram nesta quarta-feira as operações de busca e recuperação das vítimas. A alta da maré obrigou que os trabalhos fossem suspensos durante a noite. Participam da operação membros do Corpo de Bombeiros, da Polícia Nacional, do Exército e da Marinha.

Segundo as autoridades, restam 24 corpos para recuperar, sendo que 12 deles ainda estão dentro da carroceria do ônibus. A expectativa é também de retirar do penhasco a carcaça do veículo, utilizando um grande guindaste que será levado ao local. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.