Efe
Efe

Homem que atropelou e matou criança enquanto jogava Pokémon Go é condenado a 3 anos de prisão

Tribunal concluiu que infração de Nobusuke Kawai, de 36 anos, ‘foi muito maliciosa’ e ele costumava jogar enquanto estava ao volante

O Estado de S.Paulo

09 de março de 2017 | 10h34

TÓQUIO - Um homem que jogava Pokémon Go no celular ao mesmo tempo em que dirigia um caminhão foi condenado a três anos de prisão por atropelar e matar um menino de 9 anos, segundo informações divulgadas nesta quinta-feira, 9, por veículos de imprensa locais.

O Tribunal Distrital de Nagoia deu o veredicto após considerar que a infração de Nobusuke Kawai, de 36 anos, "foi muito maliciosa", e ele jogava rotineiramente enquanto dirigia, de acordo com a sentença divulgada pela agência de notícias Kyodo.

Keita Noritake, de 9 anos, foi atropelado na cidade de Ichinomiya, no centro do Japão, quando cruzava uma faixa de pedestres ao retornar do colégio. Ele foi a terceira vítima fatal no país por um acidente de trânsito relacionado ao jogo.

Quando o caminhão atingiu a criança, o motorista estava olhando seu telefone, colocado no assento do copiloto, segundo reconheceu o réu, ao lembrar do incidente ocorrido em outubro de 2016.

Três anos é uma sentença "muito suave", disse o pai do menino, Takatoshi Noritake, que considera processar o motorista por perdas e danos, informou a agência.

A promotoria pediu uma pena de quatro anos, enquanto a defesa do condenado havia pedido a suspensão da prisão, alegando que a criança não escutou seu irmão mais velho que o aconselhou a não sair da faixa de pedestres pelo risco de ser atropelado.

Poucos dias depois do acidente, os pais da vítimas iniciaram uma petição pública para impedir a utilização do aplicativo enquanto se dirige.

Keita Noritake foi a primeira criança morta em um acidente vinculado ao Pokémon Go, após as mortes de duas mulheres, de 72 e de 29 anos, desde que o jogo foi lançado no Japão, em julho de 2016. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoJogoPrisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.