Homem que denunciou esquadrão da morte na Guiana é morto

O criador de gado que levou ao início de uma investigação sobre um suposto esquadrão da morte patrocinado pelo governo da Guiana foi assassinado, um dia depois de a juíza encarregada do caso ter renunciado, alegando ameaças de morte. George Bacchus dormia em sua casa quando o quarto foi invadido por pistoleiros que o executaram. Ele iria testemunhar nesta semana.Ao fazer sua denúncia, Bacchus confessou ter trabalhado como informante para o esquadrão, mas disse ter se afastado do grupo depois de a maioria dos criminosos procurados do país terem sido mortos, e porque o esquadrão vinha cometendo assassinatos a pedido de membros do governo e de empresários.Ele disse que o esquadrão da morte era patrocinado pelo ministro do Interior, Ronald Gajraj, acusação que o ministro e o governo negam. Não obstante, os EUA e o Canadá revogaram o visto de entrada de Gajraj. Grupos de oposição ao governo e grupos de defesa dos direitos humanos acusam o esquadrão de ter cometido pelo menos 40 execuções extrajudiciais nos últimos dois anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.