Homem que enviou carta com pó branco a Obama é condenado a 6 anos de prisão

Jay DeVaughn ainda terá que se submeter a um tratamento mental durante os três anos posteriores a sua libertação

Efe,

29 de janeiro de 2011 | 03h42

WASHINGTON - Um homem que admitiu ter enviado 13 cartas recheadas com um pó branco ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e também a congressistas e aos consulados da Argentina em Los Angeles e Nova York foi condenado nesta sexta-feira a seis anos de prisão.

Pela decisão do juiz John Kane, o acusado, Jay DeVaughn, terá ainda que se submeter a um tratamento mental durante os três anos posteriores a sua libertação, informou a emissora 9 News.

DeVaughn, um bibliotecário que foi diagnosticado como portador de uma síndrome de bipolaridade, declarou-se culpado em agosto de 2010 de 13 acusações de enviar cartas ameaçadoras.

"Não sei por que fiz isso", disse nesta sexta-feira durante a audiência. "Sei que tenho uma doença que estará comigo o resto da minha vida".

Nas cartas, enviadas em março de 2010 com o nome de um médico da cidade de Denver (Colorado), o acusado mostrava sua frustração pela reforma do sistema de saúde, aprovada uma semana antes.

Inicialmente, o FBI e os serviços secretos acreditaram que os pacotes contivessem antraz, mas depois determinaram que a substância era semelhante a açúcar.

Um médico que havia tratado de DeVaughn testemunhou nesta sexta-feira contra o acusado, ao assegurar que temera por sua vida e pela de sua esposa durante mais de um ano por causa das ameaças do acusado, que se queixava do tratamento.

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosBarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.