Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Homem que jogou carro contra barreiras do Parlamento britânico é sudanês de 29 anos

Salih Khater tem cidadania britânica e mora em Birmingham; autoridades tentam estabelecer as motivações do motorista

O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2018 | 07h06
Atualizado 15 Agosto 2018 | 13h06

LONDRES - O motorista que foi preso acusado de jogar um carro deliberadamente contra pedestres e ciclistas em frente ao Parlamento britânico, em Londres, foi identificado como Salih Khater, um cidadão britânico que migrou do Sudão. A informação foi divulgada nesta quarta-feira, 15.

A polícia disse que o homem de 29 anos conduzia o veículo por Birmingham, onde mora, em direção a Londres na manhã de terça-feira. Imagens do carro foram captadas pela emissora CCTV enquanto ele circulava pelas áreas de Soho e Whitehall pouco antes de atingir as vítimas e bater na barreira de segurança do Palácio de Westminster, por volta das 7h40 (3h40 em Brasília).

Autoridades disseram que Khater não era conhecido da polícia ou de unidades antiterroristas. Agentes de segurança fizeram buscas em endereços de Birmingham e Nottingham, confiscaram computadores e entrevistaram moradores.

As contas de Khater nas redes sociais indicam que ele é fã de futebol e de música sudanesa e ocidental, incluindo Céline Dion. A polícia afirmou que ele está sob custódia por “suspeita de atos terroristas”.

“Dado que parece ser um ato deliberado (...), estamos tratando o caso como um incidente terrorista e a investigação está sendo conduzida por agentes do Comando Antiterror”, disse Neil Basu, comissário assistente da polícia. Ele afirmou que as autoridades tentam estabelecer as motivações de Khater. “Ele não está cooperando no momento.”

A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que a polícia antiterror do Reino Unido conduz atualmente 676 investigações. Ela explicou ainda que “13 planos islamistas e 4 de extrema direita foram frustrados nos últimos 18 meses”. / THE WASHINGTON POST

Relembre: explosivos falsos serviram para provocar pânico em Londres

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.