Homem tenta entrar no quarto de Berlusconi e é detido

Um homem jovem de 26 anos com problemas mentais conseguiu chegar, nesta madrugada, no andar do hospital onde está internado o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, agredido no domingo passado após fazer um discurso em Milão. A polícia deteve o jovem, que está sendo interrogado.

AE-AP, Agencia Estado

16 de dezembro de 2009 | 16h45

Um oficial da polícia antiterrorismo milanesa disse que o homem "queria fazer uma visita ao premiê às 2 horas da madrugada" e conseguiu chegar ao sétimo andar do Hospital San Raffaele onde Berlusconi, de 73 anos, e outros pacientes são tratados. O oficial falou sob anonimato.

A polícia interrogou o jovem de 26 anos, natural de Turim, no quartel-general, mas pretende libertá-lo em breve, dizendo que aparentemente ele é um partidário de Berlusconi. Uma busca no automóvel do jovem, que está estacionado próximo ao hospital, descobriu "tacos de hóquei e facas de cozinha", disse o policial. Aparentemente, o suspeito joga hóquei, mas ele será fichado pela polícia por transportar as facas sem justificação.

Berlusconi foi atingido por uma miniatura de metal do principal símbolo de Milão, a catedral (Duomo), na face no domingo. O objeto foi jogado por Massimo Tartaglia, um homem de 42 anos com histórico de distúrbios metais. Berlusconi teve o nariz e dois dentes quebrados, além de sofrer ferimentos nos lábios. O premiê deverá receber alta dos médicos amanhã. Tartaglia está preso, foi indiciado por agressão e se for considerado culpado no julgamento, poderá ser sentenciado a até cinco anos de prisão.

Telefonema

Berlusconi sofreu mais dores durante a noite e conversou por telefone com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse hoje um porta-voz do chefe de governo italiano.

Paolo Bonaiuti, o porta-voz, disse que as dores sentidas por Berlusconi pela agressão sofrida aumentaram durante a noite e que ele também sentiu o incômodo de um antigo problema no pescoço. Segundo Bonaiuti, em um telefonema na noite de ontem, Obama desejou a Berlusconi que se recupere rapidamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.