Salvatore Laporta/AP
Salvatore Laporta/AP

Homem tenta invadir quarto de Berlusconi no hospital e é preso

Segundo a polícia, homem de 26 anos de idade disse que queria 'falar com o premiê' após agressão de domingo

BBC Brasil, BBC

16 de dezembro de 2009 | 09h51

A polícia italiana prendeu nesta quarta-feira, 16, um homem que tentou invadir o quarto do hospital San Raffaele onde o primeiro-ministro italiano, Sílvio Berlusconi, está se recuperando após sofrer uma agressão no domingo.

 

Veja também:

link Berlusconi sofre com dores e segue internado na Itália

video Vídeo do Youtube mostra momento exato da agressão 

Segundo os investigadores, o intruso, que tem 26 anos e é originário de Turim, disse que queria falar com Berlusconi.  O diário "Corriere della Sera" disse que o homem parece sofrer de problemas psicológicos.

O premiê italiano, de 73 anos, foi hospitalizado após ter sido atingido no rosto por um modelo em miniatura da catedral de Milão, no último domingo.

 

Ele teve o nariz e dois dentes quebrados, teve de ser tratado com analgésicos e antibióticos, e só deve receber alta nesta quarta-feira.  Informações dão conta de que o agressor, Massimo Tartaglia, de 42 anos, estaria passando por tratamento psiquiátrico há alguns anos.

Onda negativa

Os últimos meses têm sido difíceis para o polêmico e politicamente incorreto premiê italiano.

Berlusconi foi acusado de contratar prostitutas, uma das razões que sua ex-mulher, Veronica Lario, alegou para pedir o divórcio dele, em maio. O líder italiano também é acusado de ter ligações com a máfia.

Recentemente, o horizonte se turvou para Berlusconi com a revogação de uma lei que lhe proporcionava imunidade. Com isso, diversos processos criminais contra ele foram retomados.

Há apenas uma semana, dezenas de milhares de pessoas participaram de uma manifestação contra Berlusconi em Roma.

Em sua primeira mensagem pública desde que foi atacado, Berlusconi agradeceu às pessoas que lhe enviaram apoio e afirmou que "o amor sempre triunfa sobre o ódio". 

"Eu reitero que todos devem ficar calmos e seguros. O amor sempre triunfa sobre a inveja e o ódio", afirmou.

 

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.