Homem treinado pela Al-Qaeda pega 10 anos

Um homem que admitiu ter participado de treinamentos num campo da rede terrorista Al-Qaeda no Afeganistão foi sentenciado a 10 anos de prisão por uma corte federal em Buffalo, no Estado de Nova York. Mukhtar al-Bakir, de 23 anos, recebeu a sentença máxima por dar apoio à Al-Qaeda e ainda terá de pagar multa de US$ 2 mil. Após cumprir a pena, permanecerá três anos em liberdade vigiada. Al-Bakir admitiu a culpa em maio e foi o primeiro de seis iemenitas residentes nos EUA a ser julgado por esse delito. Todos viviam na cidade de Lackawanna, no Estado de Nova York. O segundo, Yasein Taher, de 25 anos, também admitiu o mesmo delito e foi sentenciado a 8 anos de prisão. Os demais serão julgados nos próximos dias."Eu apenas gostaria de pedir desculpas ao tribunal, minha família, a comunidade (iemenita) e, mais importante, meu país", disse Taher. "Eu sei que decepcionei muita gente." A promotoria negociou sentenças mais brandas com os réus, em troca de sua cooperação. Na declaração de culpa, Al-Bakr disse ter sido treinado no uso de armas de fogo e explosivos. Os seis estiveram no Afeganistão alguns meses antes dos atentados de 11 de setembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.