Homenagem a um grande compositor vira briga na cidade

A escultura celebrando a vida do compositor Benjamin Britten está causando um estardalhaço inesperado na graciosa cidadezinha à beira-mar que ele chamava lar. A escultora Maggi Hambling diz que a concha de vieira em aço de 3,7 metros na praia eternamente varrida pelo vento de Aldeburgh é um tributo ao compositor das óperas Peter Grimes e Billy Bud, que viveu na cidade e amava sua rude costa do Mar do Norte.Mas alguns habitantes acham que obra, instalada em novembro, estraga a paisagem ao longo da praia. Confrontadas com petições, cartas zangadas e pedidos de referendo, as autoridades do condado de Suffolk, na região leste inglesa, estão pensando em rebocá-la para outro canto.?Este é uma bela extensão de praia que Benjamin Britten amava?, afirma Maggie Ling, uma ilustradora que foi das primeiras a assinar uma petição contra o memorial. ?A idéia de colocar um tributo a ele aqui dessacraliza a praia.?Maggie Hambling, que também criou a estátua de Oscar Wilde que se ergue perto de Trafalgar Square, em Londres, diz-se desapontada com a reação. ?Eu realmente achei que Aldeburgh gostaria de minha escultura?, surpreende-se a artista, que é de Suffolk e conhece bem a costa. A obra de Hambling, chamada Scallop (Vieira) dividiu a cidade de 3.000 habitantes, mais conhecida por seu festival anual de música erudita que Britten ajudou a fundar. A petição para mudá-la de lugar reuniu quase 900 assinatura; o resto dos cidadão assinaram outras petições apoiando a obra.Hambling considera sua escultura ? com a inscrição ?Eu ouço essas vozes que não serão afogadas? de Peter Grimes ? uma ?conversa com o mar?.?Uma escultura precisa de seu próprio espaço?, ela assegura. ?Essa relação com o mar é muito, muito importante. Pessoas podem parar perto dela, namorados podem encontrar-se aí, crianças podem brincar à sua volta.?Para ela, a obra apenas ?precisa de mais tempo?. Qualquer escultura pública ?precisa tempo para se estabelecer?. Maggi Ling não se impressiona com isso.?Ninguém está criticando a feitura da peça. Apenas o lugar onde foi colocada?, garante. ?Devolvam-nos nossa praia, não essa espécie de Disneylândia de Britten.?No mês passado, depois que a escultura apareceu borrada de tinta branca, a câmara da cidade concluiu que sua decisão de colocá-la na praia ?pode não ter sido a decisão correta, em vista da opinião pública atual?. O presidente da câmara, Ray Herring, já disse que ?considerará seriamente propostas para mudar a escultura?, se puder encontrar uma praia mais apropriada.Britten viveu em Aldeburgh, a 145 quilômetros de Londres, por décadas. Ele morreu em 1976, aos 63 anos, e está enterrado no adro da igreja de Aldeburgh.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.