REUTERS/Kevin Lamarque
REUTERS/Kevin Lamarque

Homenagem em Washington a Bush Pai reúne ex-presidentes dos EUA  

Trump se sentou ao lado de Obama, Clinton e Carter no funeral do republicano; corpo voltará para o Texas onde será enterrado

O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2018 | 15h17

WASHINGTON - Donald Trump e todos os ex-presidentes dos Estados Unidos acompanharam nesta quarta-feira, 5, o funeral de Estado de George H. W. Bush, elogiado desde sua morte, aos 94 anos, como uma figura que superou as linhas partidárias de um país que hoje se encontra dividido.

A Catedral de Washington recebeu várias autoridades estrangeiras, incluindo o príncipe Charles da Inglaterra, a chanceler alemã, Angela Merkel, o rei jordaniano, Abdullah II, e a rainha Rania, o presidente polonês, Andrzej Duda, acompanhado por Lech Walesa, entre outros.

A cerimônia, com a presença de Trump e sua mulher Melania, assim como da família Bush, incluindo George W. Bush, 43° presidente dos Estados Unidos, teve início às 11h locais (14h de Brasília). Os democratas Barack Obama, Bill Clinton e Jimmy Carter também compareceram com suas mulheres Michelle, Hillary e Rosalynn, respectivamente. 

"George H. W. Bush teve uma vida que encarna os que os Estados Unidos realmente têm de extraordinário", escreveu o presidente Trump em uma mensagem dirigida ao Congresso na segunda-feira. "Decidido durante a guerra, o presidente Bush foi magnânimo em tempos de paz".

Nascido em uma família rica da Nova Inglaterra, Bush governou o país de 1989 a 1993, durante o fim da Guerra Fria e a primeira Guerra do Golfo. Mas foi derrotado na eleição presidencial de 1992 - quando tentava a reeleição - por Bill Clinton.

Em um dia de luto nacional, a maioria dos prédios públicos e Wall Street estão fechados. As votações no Congresso e os debates na Suprema Corte foram cancelados, uma trégua no tenso clima político dos Estados Unidos, onde prevalece o tom áspero.

Todas as honras 

George H. W. Bush anunciou em 2016 que não votou em Trump. O magnata do setor imobiliário usou palavras duras contra George W. Bush e Jeb Bush, outro filho do presidente morto, que foi derrotado pelo atual chefe de Estado nas primárias republicanas.

Trump não compareceu em abril ao funeral de Barbara Bush, mulher de George H.W. 

Mas desde a morte do patriarca dos Bush, o presidente americano deixou de lado o estilo agressivo, aparentemente decidido a prestar todas as homenagens.

Trump emprestou o avião presidencial para transportar o caixão do Texas a Washington. 

O presidente e a primeira-dama não compareceram à cerimônia solene celebrada na segunda-feira no Capitólio, mas algumas horas mais tarde fizeram uma rápida visita à capela ardente. 

Na terça-feira, o casal presidencial se reuniu com a família Bush, hospedada na Blair House, residência reservada para convidados ilustres da Casa Branca.

Milhares de pessoas passaram desde segunda-feira à noite diante do caixão do 41º presidente dos Estados Unidos no Capitólio, onde George H. W. Bush iniciou sua carreira política nos anos 60.

Filho de um senador, também foi diplomata na China, chefe da CIA e vice-presidente de Ronald Reagan. Depois de deixar a Casa Branca, desenvolveu boas relações com os sucessores democratas.

Após a cerimônia na Catedral de Washington o caixão será transportado de volta para o Texas.

Após uma cerimônia final na Igreja Episcopal de San Martin, em Houston, o 41° presidente da história dos Estados Unidos será enterrado atrás da Biblioteca Presidencial George Bush, ao lado de Barbara, sua mulher por 73 anos, e Robin, sua filha que morreu vítima de leucemia quando tinha 3 anos. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.